Campanha Nacional contra o sarampo tem início com baixa procura em Porto Alegre

07 Out 2019
1045 vezes
Crianças de seis meses a cinco anos incompletos são alvo da primeira fase | Crianças de seis meses a cinco anos incompletos são alvo da primeira fase | Foto: Alina Souza

Doença, que já foi considerada erradicada no Brasil, já atingiu 13 pacientes no Rio Grande do Sul neste ano

 

A primeira etapa da Campanha Nacional contra o sarampo teve início nesta segunda-feria, com atendimento a crianças de seis meses a cinco anos incompletos, grupo considerado o mais suscetível para complicações da doença que já atingiu 13 pacientes no Rio Grande do Sul neste ano. O Dia D da iniciativa é 19 de outubro, e a imunização segue até o dia 25. Os pequenos que não têm esquema vacinal completo contra sarampo devem atualizar a caderneta ainda neste mês. A procura nos postos de Porto Alegre foi relativamente baixa no dia inicial da campanha.

Jênifer Radtke, 32 anos, não perdeu tempo. Após consulta e indicação do pediatra, aproveitou o primeiro dia e já vacinou a filha Marina, de seis meses. “Foi bem rápido, cheguei e fui atendida. Aí, já ficamos livres, né?”, diz a gerente de vendas. Ela retornará ao Posto de Saúde Santa Marta, no Centro de Porto Alegre, daqui a 90 dias para a picada de rotina aos bebês que completam nove meses de vida.

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) oferecerá a vacina em todas as unidades de saúde, com horários diferenciados de atendimento (unidades de saúde, 8h às 17h; US Tristeza, Ramos, Modelo e São Carlos, das 8h às 22h; Clínica da Família, na Restinga, das 8h às 20h). A priorização do grupo até cinco anos na primeira etapa deve-se à elevada incidência da doença nesta faixa etária, em surtos registrados em 2019 no país: essas crianças apresentam maior risco de desenvolver complicações, tais como cegueira, encefalite, diarreia grave, infecções no ouvido, pneumonias e óbitos pelo sarampo.

O objetivo da campanha é interromper a circulação viral e controlar a doença no Brasil. Dos quatro óbitos registrados este ano, três foram em crianças menores de 1 ano. Nessa faixa etária, 1,8 milhão estão desprotegidas. Em novembro, a campanha entra na segunda etapa, sendo dirigida à atualização da carteira de jovens entre 20 e 29 anos. Para garantir doses suficientes, o Ministério da Saúde anunciou a compra extra de 47 milhões de unidades da tríplice viral – que protege contra sarampo, caxumba e rubéola. Com isso, 60 milhões de doses serão distribuídas pelo governo federal neste ano.

Para 2020, a previsão é enviar aos estados e municípios mais 65 milhões de vacinas deste tipo. “Era uma doença que estava eliminada e voltou, tivemos um retrocesso, porque é evitável com a vacina”, explica o médico da Vigilância em Saúde de Porto Alegre, Juarez Cunha. Segundo ele, trata-se de uma doença altamente contagiosa. “A cada dez pessoas suscetíveis à doença, ou seja, as que não tiveram ou as crianças que não estão com o esquema vacinal completo, nove podem adoecer”, explica.

Qualquer indivíduo que apresentar febre e manchas no corpo acompanhado de tosse, coriza ou conjuntivite deve procurar os serviços de saúde para a investigação diagnóstica, principalmente aqueles que estiveram recentemente em locais com circulação do vírus. Casos suspeitos devem ser informados imediatamente às Secretarias Municipais de Saúde ou para o Disque Vigilância, através do número 150.

 

Fonte:CP

Avalie este item
(0 votos)
Dadá Alves

Curabitur ultrices commodo magna, ac semper risus molestie vestibulum. Aenean commodo nibh non dui adipiscing rhoncus.

Website.: www.themewinter.com

O Regional é um site de Entretenimento, Esportes e Alimentos. Aqui você pode obter as últimas notícias da sua região, estado e do mundo inteiro rapidamente.

Contato e-mail

Galeria de Fotos