Dólar recua; Ibovespa cai e perde nível dos 100 mil pontos

Quase dois meses depois de ter conquistado a até então inédita marca dos 100 mil pontos, o Índice Bovespa voltou a curvar-se ante a forte aversão ao risco no mercado internacional e perdeu esse suporte nesta quinta-feira. Em um ambiente de intensa volatilidade, o indicador chegou a subir até 0,75% pela manhã, mas perdeu sustentação e mergulhou até 2,05% à tarde. Ao final dos negócios, marcou 99.056,91 pontos, em queda de 1,20%.

Desde 19 de junho, quando o Ibovespa vinha se sustentando acima dos 100 mil pontos, chegando a mais de 105 mil em 10 de julho. Desde esse pico, a turbulência do mercado internacional vem refreando o avanço do índice para além desse patamar, mesmo com o cenário doméstico mais favorável. De lá para cá, a queda do índice é de 6,39%.

As bolsas de Nova York foram a principal referência para o mercado brasileiro e tiveram desempenho igualmente volátil, em meio às diversas incertezas quanto à guerra comercial entre Estados Unidos e China e risco de desaceleração da economia global. A crise aberta nos mercados argentinos desde o resultado das prévias das eleições também esteve no radar por aqui.

Em evento do Santander em São Paulo, o ministro da Economia, Paulo Guedes, minimizou as adversidades. Ele afirmou não ter nenhum receio de ser engolido pelo mercado internacional e que não teme o "balanceio" da economia argentina, nem a queda de um gigante lá fora. De acordo com o ministro, a guerra comercial não vai afetar o PIB brasileiro e poderia, no máximo, causar alterações cambiais.

Para Guilherme Macedo, sócio da Vokin Investimentos, Guedes "está no papel dele como ministro da Economia", mas os riscos do mercado internacional são preocupantes. "Entendo que o Brasil vem promovendo avanços muito importantes e estou otimista com o país. Mas não somos uma ilha. A história mostra que nas crises internacionais o investidor estrangeiro não faz muita distinção entre os mercados emergentes na hora de reduzir a exposição ao risco", disse.

Na avaliação de Pedro Galdi, analista da Mirae Asset, a crise na Argentina é uma preocupação a mais para o mercado brasileiro, não tanto pelo impacto econômico potencial de uma crise econômica, mas justamente pelo risco de o investidor estrangeiro promover uma saída em bloco da América do Sul. "É um risco que tira o brilho do Brasil", afirma.

Entre as quedas mais expressivas do dia ficaram os papéis de empresas ligadas a commodities, como Petrobras ON e PN (-2,21% e -2,77%), que acompanharam as perdas do petróleo nos futuros de Londres e Nova York. Vale ON (-2,21%) e siderúrgicas também deram o tom do temor de continuidade da guerra comercial e da desaceleração econômica global.

Dólar

Um movimento global de leve recuperação das moedas emergentes e a nova estratégia do Banco Central no mercado de câmbio tiraram o fôlego do dólar nesta quinta-feira. Já em queda desde a abertura, o dólar acentuou as perdas na final do pregão e furou o piso de R$ 4,00, em meio a um leve refresco na aversão ao risco no exterior, evidenciado pela alta das bolsas americanas e diminuição da queda dos retornos dos Treasuries.

Com máxima de R$ 4,050 e mínima de R$ 3,9808, registrada no meio da tarde, o dólar à vista encerrou o dia cotado a R$ 3,9901, em queda de 1,21%. Apesar do recuo no pregão desta quinta-feira, o dólar ainda acumula alta de 1,26% na semana e avança 4,46% em agosto.

Operadores e analistas viram com bons olhos a nova estratégia de atuação do Banco Central no mercado cambial, mas ressaltam que não há motivos para esperar uma apreciação maior do real no curto prazo. O temor de recessão global, em meio à guerra comercial entre China e Estados Unidos, deixa o mercado sensível a movimentos abruptos de aversão ao risco, que se traduzem em venda de ativos emergentes e compra de dólares.

"Tivemos um alívio pontual para moedas emergentes lá fora, com alta até do peso argentino, mas o quadro de guerra comercial pode se agravar e impulsionar o dólar, apesar da atuação do Banco Central", afirma o estrategista Jefferson Laatus. "Ainda há muita pressão no câmbio, com aversão ao risco e saída de estrangeiros da bolsa. O BC vai suprir essa demanda, mas não dá para descartar que o dólar volte trabalhar acima de R$ 4,05", acrescenta Durval Corrêa, sócio-diretor da Via Brasil Serviços.

À exceção do rublo, o dólar amargou perdas em relação a todas as divisas de países emergentes ou exportadores de commodities. Até a moeda argentina, abalada pela perspectiva de volta do kirchnerismo , pegou carona no movimento global de recuo da moeda americana. O dólar caiu mais de 5% e passou a ser negociado abaixo dos 60 pesos.

Em vez de ofertar apenas swaps cambiais tradicionais, o BC vai realizar, no período de 21 a 29 de agosto, leilões diários de venda de até US$ 550 milhões, conjugado com oferta de swaps cambiais reversos (equivalente a compra de dólar futuro). Caso venda lotes integrais durante os sete dias úteis de intervenção, o BC terá injetado US$ 3,850 bilhões no mercado à vista.

"O BC está adaptando sua atuação à nova realidade do mercado, com maior pressão de dólar à vista. Ao mesmo tempo, dá liquidez no futuro para quem quer se desfazer de swaps tradicionais", afirma Laatus.

O especialista ressalta que a alta recente do dólar não se dá por razões domésticas, como eventual temor de malogro da reforma da Previdência e piora dos fundamentos fiscais. Ou seja, não há uma piora da percepção em relação ao Brasil, mas um movimento global de fuga para a qualidade. "Essa venda de reservas é para suprir uma demanda e não significa uma tentativa de controlar o dólar, até porque o movimento é global", afirma.

Taxas de juros

Os juros futuros oscilaram majoritariamente com viés de queda nesta quinta-feira, acompanhando o alívio no câmbio, por sua vez, em reação ao anúncio do Banco Central de que vai ofertar moeda no mercado à vista e também em linha com o recuo do dólar no exterior. Houve momentos de estresse à tarde, quando as taxas futuras passaram a mostrar viés de alta, mas que foi apagado na última hora da sessão regular na medida em que o dólar ampliou as perdas e caiu abaixo de R$ 4. De maneira geral, permanece no mercado a avaliação de que os impactos das tensões no exterior, com a guerra comercial entre a China e os Estados Unidos, a inversão da curva dos Treasuries e o cenário eleitoral na Argentina, têm sido bem absorvidos na curva a termo.

Nos juros, a taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2021 fechou em 5,47%, de 5,459% na quarta no ajuste. A do DI para janeiro de 2023 encerrou em 6,46%, de 6,471%, e a do DI para janeiro de 2025 passou de 6,951% para 6,94%.

"O mercado de juros está num limiar estranho. Temos um cenário internacional preocupante que sugere abertura para as taxas, mas, ao mesmo tempo, também temos o dólar em queda fazendo o contraponto", disse Jason Vieira, economista-chefe da Infinity Asset. Ele vê o anúncio do BC como um fator que deve estimular a desmontagem das posições de hedge cambial, em função do aumento do custo de manter proteção na moeda americana que deve resultar da queda do cupom cambial. Com isso, a expectativa é de recuo para a divisa dos EUA ou, ao menos, de alta limitada.

Apesar da volatilidade no câmbio, seguem quase sem alteração as expectativas para a política monetária de curto prazo, o que contribui para conter a alta das taxas em momentos de estresse.

"Os IGPs negativos estão provando que não há repasse do câmbio para os preços", diz Vieira. A FGV informou que o IGP-10 de agosto teve deflação de 0,47%, bem acima da mediana das estimativas, que apontavam taxa negativa de 0,28%.

Um sinal de que a curva tem absorvido os choques externos sem sustos é o fato de que as apostas para a queda da Selic pouco se alteraram nos últimos dias, mesmo com o câmbio tendo furado os R$ 4.

Nos cálculos da Quantitas Asset, a probabilidade embutida nos DIs de corte de 0,5 ponto porcentual da Selic na próxima reunião do Copom teve leve desaceleração, de 62% na terça-feira, para 53% quarta e quinta.

Fonte: CP

Avalie este item
(0 votos)

O Regional é um site de Entretenimento, Esportes e Alimentos. Aqui você pode obter as últimas notícias da sua região, estado e do mundo inteiro rapidamente.

Contato e-mail

Galeria de Fotos