Moratória sobre novos cursos de medicina não está sendo seguida, alerta CREMERS ao MEC

06 Maio 2019
176 vezes
Moratória sobre novos cursos de medicina não está sendo seguida, alerta CREMERS ao MEC Foto: Divulgação CREMERS
Em audiência, presidente do conselho ressaltou que trecho de norma deu margem à abertura de novas faculdades e vagas sem devidas condições
 
Publicada em 2018, a portaria que suspendeu por cinco anos a criação de novos cursos de Medicina no país está tendo efeitos diferentes daqueles pretendidos pelo Governo Federal, permitindo a expansão de vagas nas instituições. O alerta foi feito esta quinta-feira (2) pelo presidente do Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Sul (CREMERS), Eduardo Trindade, em audiência no Ministério da Educação (MEC), em Brasília (DF). O dirigente foi recebido por Marco Aurélio de Oliveira, secretário de Regulação e Supervisão da Educação Superior do MEC. 
 
O presidente do CREMERS ressaltou que um trecho da Portaria 328/2018, cujo objetivo era reorganizar o ensino médico no Brasil, não regulou o Programa Mais Médicos – dando abertura para que fossem criados novos cursos e vagas. Desde então, foram abertas 21 escolas de Medicina pelo país. Além disso, a Secretaria de Regulação e Supervisão da Educação Superior tem autorizado o aumento de vagas em diversas instituições.
 
"Muito mais do que quantidade, é preciso zelar pela qualidade. A geração de faculdades médicas ocorre de forma desordenada, muitas vezes desprezando aspectos essenciais da formação", destaca Trindade. O presidente apontou que, em 2020, o país alcançará a marca de 500 mil profissionais na área. "O que deveria ser uma preocupação social legítima, reforçando o atendimento aos cidadãos, tornou-se uma indústria movida pelo interesse financeiro".
 
Na audiência, o CREMERS solicitou a retirada do parágrafo único do artigo 1º da portaria, reafirmando a interrupção de novos cursos e vagas de Medicina nas universidades, pelo prazo determinado na norma. A entidade também se colocou à disposição para contribuir nos trabalhos de reordenamento do ensino médico. O secretário de Regulação e Supervisão da Educação Superior do MEC ressaltou que foi a primeira demanda sobre esse assunto desde o início da atual gestão. O pedido foi protocolado, com a alteração da portaria a ser analisada. 
 
"É evidente que a população enfrenta dificuldades no acesso à saúde. Porém, não faltam médicos. Faltam estrutura e condições para o atendimento adequado", afirmou Eduardo Trindade.
 
Entenda o caso
 
Assinada em 5 de abril de 2018 pelo então ministro da Educação Mendonça Filho, a Portaria 328/2018 suspendeu, por cinco anos, os editais de chamamento público para autorização de novos cursos de graduação em Medicina.
 
A iniciativa considerou dados da Organização Mundial da Saúde, do Ministério da Saúde e do monitoramento 2016-2019 do Plano Plurianual do Governo Federal. Os estudos concluíram que o Brasil atingiu a meta de criação de 11 mil vagas/aluno em cursos de graduação em Medicina por ano. 
 
Além disso, a portaria também instituiu a criação de um grupo de trabalho para estudar a formação médica no país, em cooperação com o Conselho Federal de Medicina e associações médicas nacionais.
Avalie este item
(0 votos)

O Regional é um site de Entretenimento, Esportes e Alimentos. Aqui você pode obter as últimas notícias da sua região, estado e do mundo inteiro rapidamente.

Contato e-mail

Galeria de Fotos