Aos pés de morros que bordejam o Lago Titicaca, nos Andes bolivianos, há cerca de 300 'chullpas' ou torres funerárias pré-incaicas, derruídas pela passagem do tempo ou por saques, que começaram a ser reedificadas pelos locais. As "chullpas" são torres de pedra e barro edificadas durante os domínios aimarás, entre os anos 1000 e 1400, após a queda da cultura de Tiauanaco, antes da conquista pelo império inca.

Perto do povoado de Quehuaya, mais de 70 km ao oeste de La Paz, está o sítio arqueológico de Qala Uta (Casa de Pedra em aimará), onde foram encontrados rastros destas construções usadas para enterrar, em posição fetal e em cestos, nobres, sacerdotes ou xamãs, militares e pessoas ricas. Seus corpos eram colocados junto com peças de cerâmica, como vasos e pratos, e objetos de ouro e prata.

As torres funerárias têm dimensões similares: quadrangulares, de dois metros de largura e até 3,5 metros de altura, com duas câmaras interiores, uma espécie de dois andares. Em cada câmara eram colocados de dois a quatro mortos e sempre eram construídas a pouca distância da casa da família. No lugar existia uma populosa cidadela do reino aimara Pacaje, que se dedicava a plantar favas, batatas e quinoa. Seus habitantes atuais, também aimaras, perderam o costume ancestral de construir essas torres e carregam seus mortos em caixões até cemitérios públicos. "Esta é uma cidadela com quase 300 estruturas, são chullpares, entre habitacionais e outros espaços de construções, construídos totalmente com pedra, desde as bases até o teto", detalha à AFP Isaac Callizaya, responsável turístico do município local.

Em Quehuaya foram encontradas chullpas em uma extensão de dois quilômetros quadrados, o que faz do lugar um dos maiores chullpares da Bolívia. As três centenas de torres funerárias estão destruídas e só se vê pequenas paredes quadrangulares de pedra. Oscar Limachi, um dos envolvidos nas tarefas de restauração, explica à AFP que "o tempo e a chuva" provocaram sua destruição.

Apesar de ter sido declarado sítio arqueológico na década de 1930, não recebeu o cuidado necessário. O diretor da Unidade Nacional de Arqueologia, José Luis Paz, também indica que no lugar houve um evidente saque de peças valiosas que os parentes colocavam junto a seus mortos. "O saque foi desde a colônia", explica o funcionário à AFP.

"Nossos ancestrais vivem aqui"

Com o propósito de recuperar a memória coletiva, estudar os hábitos de vida do reino Pacaje e transformar o lugar em um sítio turístico, foram reconstruídas seis chullpas com apoio financeiro da Suíça, que contribuiu com 50.000 dólares, em coordenação com o Ministério da Cultura da Bolívia. O governo boliviano tem previsto reconstruir mais torres funerárias e prometeu recursos econômicos.

Limachi relata que ele, seus pais e seus avós sempre viram as torres funerárias com respeito, e inclusive temor, pois eram lugares sagrados. "Nossos ancestrais vivem aqui", diz, evocando a crença dos aimaras de que os espíritos de seus mortos não os abandonam. "Nós nunca pudemos remexer, porque nos ataca psicologicamente, afeta o espírito da pessoas", explica. Antes de começar a reconstrução, em 2017, foram realizadas cerimônias religiosas com "yatiris" (sacerdotes andinos) para pedir autorização aos espíritos que vagam pelo local. "Sem cerimônias podemos ficar doentes", argumenta Limachi.

Fonte: CP

Um grupo de arqueólogos descobriu os restos mortais de cerca de 50 crianças oferecidas em um ritual da cultura pré-colombiana chimu, na costa norte do Peru, perto de onde foram achados há pouco tempo os vestígios do maior sacrifício de crianças do mundo. "Até o momento encontramos os restos mortais de 56 crianças que foram sacrificadas pela cultura chimu", declarou o arqueólogo Gabriel Prieto.

O novo local de sacrifício maciço de crianças foi descoberto no setor Pampa La Cruz, em Huanchaco, município costeiro de Trujillo, a terceira cidade do Peru, 700 quilômetros ao norte de Lima. "Agora, com mais argumentos, confirma-se que temos o maior sacrifício de crianças do mundo. Tranquilamente neste novo espaço podemos dobrar o número de restos mortais que encontramos em Huanchaquito" anteriormente, indicou Prieto, após destacar que o trabalho no novo sítio arqueológico acaba de começar.

Prieto explicou que os restos mortais das 56 crianças, de entre seis e 14 anos, foram encontrados no início de maio envolvidos em tecido de algodão como mortalhas em frente ao mar, um quilômetro ao norte de Huanchaquito.

"O interessante do tema é que foram sacrificados com um corte no esterno e mostram as costelas abertas assim como em Huanchaquito", comentou o arqueólogo da Universidade Nacional de Trujillo. "Reforça-se que Huanchaco foi um local onde foram feitos sacrifícios maciços de crianças durante a cultura chimu", acrescentou.

Testes de radiocarbono

Em Huanchaquito foram encontrados os restos de 140 crianças e 200 lhamas oferecidas em ritual, segundo informou no fim de abril a revista National Geographic. Essas escavações remontam a 2011, quando foram descobertos os restos mortais de 42 crianças e 76 lhamas em um templo de 3,5 mil anos, segundo o relatório.

Esta primeira descoberta, que obrigou a revisar a história de sacrifícios humanos, ocorreu em um alcantilado sobre o Oceano Pacífico nessa mesma região. "Ao final das escavações em 2016, haviam descoberto no sítio mais de 140 restos mortais de crianças e 200 lhamas jovens", ressaltou a National Geographic.

A revista indicou que testes com radiocarbono em cordas e tecidos dataram os objetos descobertos nos túmulos entre os anos 1400 e 1450, cerca de um século antes do conquistador espanhol Francisco Pizarro chegar ao Peru (1532). O local desses sacrifícios é conhecido como Huanchaquito-Las Llamas e fica 300 metros acima do nível do mar no meio de um complexo de casas residenciais em expansão de Huanchaco.

Conquistados pelos incas

A National Geographic destacou em abril que "até agora, o maior de que se tem evidência é o sacrifício e enterro de forma ritual de 42 crianças no Templo Mayor, na capital azteca de Tenochtitlán (atualmente, Cidade do México)". O antropólogo John Verano, da americana Tulane University, e sua equipe de pesquisa analisam as novas descobertas.

O projeto foi realizado graças ao apoio da National Geographic, da Universidade Nacional de Trujillo e do município de Huanchaco. A civilização chimu se estendeu ao longo da costa peruana até o atual Equador, e desapareceu por volta do ano 1475 ao ser conquistada pelo império inca.

Fonte: CP

O príncipe Harry, sexto na linha de sucessão ao trono do Reino Unido, e a atriz americana Meghan Markle se casaram neste sábado na capela de São Jorge, no Castelo de Windsor, a cerca de 30km de Londres.

Os noivos trocaram os votos matrimoniais e as alianças diante de cerca de 600 pessoas,
entre elas membros da família real britânica.

Meghan, de 36 anos, usou um vestido branco da estilista britânica Clare Waight Keller, da casa francesa Givenchy. O véu era fixado por uma tiara de diamantes emprestada pela rainha Elizabeth II.

O arcebispo da Cantuária, Justin Welby, casou os agora duques de Sussex depois que o primaz da Igreja Episcopaliana dos Estados Unidos, Michael Curry, pronunciou um apaixonado discurso sobre o poder do amor para “ajudar e curar”.

Meghan chegou à capela em um Rolls-Royce depois de passar a noite com a mãe, Doria Loyce Ragland. Ela entrou sozinha na capela, acompanhada por dez crianças que faziam de
jogos de damas de honra e pajens, entre eles o príncipe George e a princesa Charlotte,
filhos do príncipe William e de Kate Midleton. O príncipe Charles, herdeiro do
trono, a conduziu até o altar.

O príncipe Harry chegou à capela usando o uniforme do regimento de cavalaria Blues &
Royals, do exército britânico.

Desde o início da semana, milhares de turistas, súditos e admiradores da realeza britânica passaram a lotar a pequena cidade de Windsor para acompanhar o casamento real, considerado o evento do ano.

Cerca de 100 mil pessoas, entre súditos e curiosos, eram esperadas nas ruas da cidade para acompanhar de perto a celebração. Uma consultoria citada pela tv britânica BBC apontou que, apenas no fim de semana do casamento, cerca de US$ 1 bilhão deve ser injetado na economia da região.

Harry e Meghan passaram a despertar mais atenção por romperem tradições da realeza. A noiva é atriz, divorciada, afro-americana e feminista. Os dois deixaram de fora da lista de convidados figuras políticas importantes da atualidade. E, para completar, Harry convidou as ex-namoradas para a cerimônia.

Nomeações

Na manhã de hoje, 19, como já era especulado, o príncipe recebeu da avó, a rainha Elizabeth II, o título de duque de Sussex. Com a nomeação do futuro marido, a norte-americana Meghan Markle se torna duquesa de Sussex após o casamento real.

De acordo com a CNN, Meghan vai ser a primeira mulher a ter o título de duquesa de Sussex. Antes da nomeação do príncipe Harry, houve apenas um duque de Sussex, o príncipe Augusto Frederico (1773-1843) que, embora tenha se casado duas vezes, não teve os casamentos reconhecidos pelo pai, George III.

Fonte: CP

David Goodall, o cientista australiano de 104 anos que viajou à Suíça para recorrer à eutanásia, faleceu nesta quinta-feira às 12h30 (7h30 de Brasília) na Basileia, ao cometer suicídio assistido, uma possibilidade negada em seu país, informou a Fundação Exit International. "Às 12h30 de hoje, o professor David Goodall, de 104 anos, morreu em paz na Basileia, com uma injeção de Nembutal", um barbitúrico, escreveu no Twitter o médico Philip Nitschke, fundador da Exit International.

Goodall não tinha nenhuma doença terminal, mas considerava que sua qualidade de vida havia piorado e desejava morrer. No início, ele solicitou, sem sucesso, às autoridades australianas que permitissem o suicídio assistido. Então decidiu viajar à Suíça, onde várias fundações oferecem o serviço. "Preferia morrer na Austrália e lamento muito que a Austrália esteja atrasada em relação à Suíça nesta questão", afirmou à imprensa na quarta-feira em um hotel.

O suicídio assistido, com a ajuda de outra fundação suíça, a Eternal Spirit, aconteceu em um apartamento. Goodall faleceu ao lado dos netos e de um amigo. Goodall, pesquisador honorário da Universidade Edith Cowan de Perth, pediu que seu corpo seja entregue à ciência ou que, em caso de rejeição, as cinzas sejam espalhadas na Suíça. Também pediu que nenhuma cerimônia seja organizada em sua memória.

Fonte: CP

Um caminhão transportando 12 toneladas de chocolate líquido e quente tombou nesta quarta-feira em uma estrada polonesa, transformando a via em um rio marrom e doce, informou a polícia local. O caminhão, de propriedade de uma confeitaria, colidiu por razões ainda desconhecidas contra as barreiras metálicas da estrada A2, entre Wrzesnia e Slupca, no oeste do país. O veículo tombou de lado, bloqueando a estrada nas duas direções.

Antes que a estrada fosse completamente interditada, o chocolate escorreu, alcançou as rodas dos carros e deixou um rastro por vários quilômetros. A limpeza, iniciada por trabalhadores armados com pás, teve que ser continuada com uma pá mecânica. Mas a medida também se mostrou difícil porque o chocolate endureceu em contato com o ar. "O chocolate endurecido é muito pior do que a neve", disse o chefe dos bombeiros, Bogdan Kowalski, à rede privada TVN24. O motorista teve que ser hospitalizado com uma fratura no braço.

Fonte: CP

O candidato conservador Mario Abdo Benítez, do governista Partido Colorado, venceu a eleição presidencial deste domingo no Paraguai. Com 96% das urnas apuradas, a Justiça Eleitoral confirmou a vitória de Benítez, que obteve 46,49% dos votos. Seu principal adversário, Efraín Alegre, do Partido Liberal, fez 42% dos votos.

“Com 96% da apuração dos resultados temos uma diferença a favor de um dos candidatos. O presidente da República do Paraguai é o senho Mario Abdo Benítez”, informou Jaime Bestard, titular do Tribunal Eleitoral Paraguai.

Os simpatizantes começaram a comemorar quando 75% das urnas estavam apuradas e já apontavam a vitória de Mario Abdo Benítez. Pouco após o fechamento das seções eleitorais, centenas de pessoas vestidas de vermelho se concentraram na rua onde fica a sede do Partido Colorado, em Assunção, onde foi montando um palanque e se ouve música.

Mais cedo, quando a contagem de votos dava vantagem a Benítez sobre Alegre por 47% a 42,4% dos votos, com 65% das urnas apuradas, o líder do Partido Liberal, Salyn Buzarquis, afirmava haver um empate técnico. "Com nossos números, vamos nos dando conta de que há um empate técnico. Vamos esperar a apuração de 100% (das urnas). Vamos brigar voto a voto", disse à imprensa Buzarquis. A Justiça eleitoral avaliou a participação de eleitores em 65% de um total de 4,1 milhões de habilitados a votar de uma população de 7 milhões e habitantes.

O vencedor desta eleição sucederá em agosto o presidente Horacio Cartes, um empresário da indústria do tabaco que, nestas eleições, candidatou-se ao Senado

Hegemonia colorada

O Paraguai, que saiu de uma ditadura de 35 anos em 1989, viveu sob a hegemonia do Partido Colorado durante os últimos 70 anos, com a única exceção do governo do ex-bispo e ex-presidente de esquerda Fernando Lugo (2008-2012), que foi destituído em um julgamento político um ano antes de concluir seu mandato. Benítez, o candidato do partido nas eleições deste ano, era o favorito das pesquisas de opinião e também apareceu em primeiro lugar na pesquisa de boca de urna de empresas especializadas.

"Ganhei credenciais democráticas em minha trajetória política", declarou Abdo Benítez ao rejeitar, neste domingo, as críticas que recebe devido à proximidade de sua família com Stroessner. Embora se distancie da ditadura lembrando que à época da derrocada de Stroessner tinha apenas 16 anos, em 2006 ele foi ao funeral do ex-ditador, que se exilou em Brasília.

"Marito", como é conhecido popularmente, estudou administração nos Estados Unidos. Seu programa propõe manter a política econômica do presidente Horacio Cartes, baseada nas exportações agrícolas, que permitiu ao Paraguai crescer a um ritmo de 4% por ano por mais de uma década. Também pretende realizar uma reforma do Poder Judiciário, que considera corrupto. O Paraguai está em 135º lugar entre 180 países em um ranking de corrupção elaborado pela organização Transparência Internacional.

Fonte: CP

Um avião militar com 100 soldados a bordo caiu nesta quarta-feira pouco depois da decolagem perto da base aérea de Boufarik, a 30 quilômetros de Argel, informou uma fonte militar. Até o momento não foi divulgado um balanço de eventuais vítimas.

O avião de transporte Ilyushin II-76 tem capacidade para 120 passageiros, de acordo com a fonte, que pediu anonimato A aeronave caiu em um campo muito próximo à base. Dezenas de ambulâncias e veículos do corpo de bombeiros foram enviados para o local da tragédia. Os canais de televisão exibiam imagens do avião em chamas.

Em fevereiro de 2014, 77 pessoas - militares e seus parentes - morreram na queda de um Hércules C-130 do exército argelino a 500 km da capital Argel. Apenas uma pessoa sobreviveu ao acidente, que o ministério da Defesa atribuiu na época às más condições meteorológicas

Fonte: CP

Ao explicar, na década de 1970, que os buracos negros se dissolviam como uma aspirina em um copo de água, o astrofísico britânico Stephen Hawking revolucionou a nossa compreensão de como o Universo funciona. "O legado científico mais importante de Hawking é sua ideia de que os buracos negros se dissolvem lentamente como a aspirina em um copo de água", explica Lisa Harvey-Smith, da Universidade de Nova Gales do Sul. Stephen Hawking morreu aos 76 anos, nesta quarta-feira. 

Esta teoria "transformou a teoria do buraco negro, foi um verdadeiro choque", disse à AFP Patrick Sutton, chefe da equipe de física gravitacional da Universidade de Cardiff. Com base na relatividade geral publicada em 1915 por Albert Einstein, que permite explicar o funcionamento dos buracos negros, nada poderia escapar desses monstros. O físico e cosmólogo britânico Stephen Hawking teorizou em 1975 que os buracos negros poderiam emitir radiações, um fenômeno chamado "radiações de Hawking".

Uma descoberta que Martin Rees da Universidade de Cambridge descreve como "momento eureka" de Stephen Hawking. "Na verdade, os pequenos buracos negros não são negros! Hawking mostrou que eles emitem radiação intensa", explica à AFP Aurélien Barrau, do Laboratório de Física Subatômica e Cosmologia do CNRS na França.

Para o pesquisador, Stephen Hawking "foi um visionário de muitas maneiras e teve intuições extraordinárias". Na opinião de alguns cientistas, essa teoria teria valido a Stephen Hawking o Prêmio Nobel se ela pudesse ter sido observada. O que é impossível hoje: "não tivemos a oportunidade de estudar um buraco negro de perto", explica Patrick Sutton. Fala-se de buracos negros desde o século XVIII, mas nenhum telescópio ainda conseguiu encontrá-lo.

Um buraco negro é um objeto celeste que tem uma massa extremamente grande em um volume muito pequeno. Existem dois tipos: buracos negros estelares, que se formam no final do ciclo de vida de uma estrela, e buracos negros supermaciços no centro das galáxias, que pesam entre um milhão e bilhões de vezes o Sol. "Sua teoria permitiu mostrar que os buracos negros são objetos realmente muito complexos.

Para descrevê-los corretamente, devemos usar simultaneamente todas as teorias fundamentais da física", diz Aurélien Barrau. Esta descoberta sugere uma ponte entre as duas grandes teorias do século XX: a teoria da relatividade geral, descrevendo as forças em ação no Universo, com a mecânica quântica, que descreve o mundo das partículas e infinitamente pequena.

"Graças à mecânica quântica, Hawking percebeu que os buracos negros, esses objetos que são feitos de gravidade, podem realmente emitir partículas", explica Patrick Sutton. "Este foi o primeiro caso em que um processo físico ligou a teoria clássica da gravidade à mecânica quântica", acrescenta.

Na cerimônia de abertura dos Jogos paraolímpicos de 2012 em Londres, diante de 80 mil espectadores entusiastas, Stephen Hawking disse: "Olhem para as estrelas e não para os seus pés. Tentem entender o que você vê e pergunte-se o que faz com que o Universo exista, seja curioso". "Sua fama não deve ofuscar suas contribuições" para a física, insiste Martin Rees: "Ele, sem dúvida, fez mais do que qualquer um depois de Einstein para ampliar o saber sobre a gravidade".

Fonte: CP

Um avião da companhia bengalesa US-Bangla Airlines caiu nesta segunda-feira, com 71 pessoas a bordo, perto do aeroporto de Katmandu, deixando ao menos 49 mortos - anunciaram as autoridades. "Quarenta pessoas morreram no local do acidente, e nove morreram em dois hospitais em Katmandu", disse à AFP o porta-voz policial Manoj Neupane. O avião, que transportava 67 passageiros e quatro membros da tripulação, caiu em um campo de futebol perto do único aeroporto internacional do país.

Queda de avião no Nepal deixa 49 mortos | Foto: Prakash Mathema / AFP / CP

Queda de avião no Nepal deixa 49 mortos | Foto: Prakash Mathema / AFP 

Entre os passageiros estavam 33 nepaleses, 32 bengaleses, um chinês e um maldivo, indicou à AFP um porta-voz da companhia aérea, Kamrul Islam. As causas do acidente ainda não foram determinadas, mas, de acordo com uma declaração das autoridades aeroportuárias, o avião estava "fora de controle" pouco antes do pouso. Segundo testemunhas, a aeronave caiu ao realizar uma segunda tentativa de pouso. As imagens divulgadas mostravam pedaços do avião incendiado que os socorristas tiveram de cortar, procurando vítimas.

O porta-voz do Exército, Gokul Bhandaree, afirmou que, de agora em diante, "as chances de encontrar alguém vivo são escassas, porque o avião pegou fogo severamente". Colunas de fumaça podiam ser vistas subindo do campo de futebol onde a aeronave caiu. Imagens postadas no Facebook mostravam a coluna de fumaça atrás da pista de aterrissagem, onde outra aeronave estava esperando. Os veículos dos serviços de emergência pareciam mergulhar na fumaça, enquanto testemunhas do acidente filmavam a cena com seus telefones celulares.

A aeronave era um turboélice Bombardier Dash 8 Q400, de acordo com Mahbubur Rahman, do Ministério da Aviação Civil. O avião tinha 17 anos, segundo o site de rastreamento de voos em tempo real Flightradar24, com sede na Suécia.

A US-Bangla Airlines é uma companhia aérea privada, lançada em julho de 2014. Seu primeiro voo internacional foi para Kathmandu em maio de 2016. A companhia aérea opera voos para o sul e para o sudeste da Ásia, assim como para o Oriente Médio. O aeroporto de Katmandu foi reaberto depois de ter sido fechado brevemente após o acidente - momento em que os voos de chegada tiveram de ser desviados. O Nepal sofreu vários desastres aéreos nos últimos anos, o que afetou severamente a indústria do turismo.

A maioria desses acidentes foi atribuída a problemas de inexperiência dos pilotos e de manutenção e gerenciamento. Em fevereiro de 2016, um Twin Otter da companhia aérea Tara Air caiu no remoto distrito de Myagdi, no Himalaia, a uma altitude de cerca de 4.900 metros, matando 23 passageiros e a tripulação a bordo.

Fonte: CP

 

Avião cai perto de aeroporto no Nepal

Segunda, 12 Março 2018 11:14

Os serviços de emergência do Nepal recuperaram corpos dos destroços do avião de uma companhia de Bangladesh com 71 pessoas a bordo que caiu nesta segunda-feira perto do aeroporto de Katmandu, anunciou o porta-voz do governo, Narayan Prasad Duwadi. "Acabamos de retirar corpos e feridos", disse.

O porta-voz do Aeroporto Internacional de Katmandu, Prem Nath Thakur, anunciou que 20 pessoas foram hospitalizadas e os bombeiros tentavam "apagar as chamas e socorrer os passageiros". "A polícia e o exército tentam entrar no avião para salvar os outros", disse.

O avião da companhia bengalesa US-Bangla Airlines transportava 67 passageiros e quatro membros da tripulação. Colunas de fumaça negra eram observadas na região da queda da aeronave, ao leste da estrada do único aeroporto internacional do Nepal.

Um avião da companhia bengalesa US-Bangla Airlines caiu nesta segunda-feira perto do aeroporto de Katmandu, onde deveria pousar, anunciaram as autoridades do Nepal. "Estamos tentando apagar as chamas e socorrer os passageiros", afirmou o porta-voz do aeroporto, Prem Nath Thakur.

Fonte: CP