Morre a atriz Eva Todor, aos 98 anos

Segunda, 11 Dezembro 2017 10:43

Aos 98 anos, atriz Eva Todor morreu na manhã deste domingo, em sua casa, no Rio de Janeiro. Ela será cremada, mas ainda não há data e horário definidos.

Eva Todor sofria de Mal de Parkinson e estava longe da TV desde a novela "Salve Jorge", da rede Globo, exibida em 2012.

Nascida em Budapeste, capital da Hungria, Eva atuou em 21 trabalhos entre telenovelas, minisséries e especiais. No gênero, seu papel mais marcante foi o de Kiki Blanche, na novela "Locomotivas" (1977). Foram 80 anos de carreira.

De acordo com uma funcionária de um amigo de Eva, Marcelo Del Cima, ele foi à casa da atriz na manhã deste domingo, pois Eva estaria passando mal. Ela era viúva e não deixa filhos.

Fonte: CP

Mais de dez anos depois, os familiares de 70 vítimas, entre as 199, do acidente com o voo da TAM irão receber indenização de R$ 30 milhões da empresa Airbus, que é a fabricante do avião. O acordo foi homologado no mês passado e envolveu a Justiça do Rio de Janeiro. As informações foram confirmadas pelo assessor de imprensa voluntário da Associação dos Familiares e Amigos das Vítimas do Vôo TAMJJ3054 (AFAVITAM) e irmão da vítima Mário Gomes, Roberto Corrêa Gomes.

O acidente com o voo da TAM JJ3054 é considerado a maior acidente aéreo da história do Brasil. Ele esclareceu que serão 25 famílias – algumas tinham mais do que uma vítima no voo – que receberão a indenização. Isso porque elas entraram com processo contra a empresa fabricante do avião, a Airbus. Ao mesmo tempo, que outros familiares que fizeram outros acertos, como o acordo com a própria TAM, não estão incluídos.

 

Do valor, ele destacou ainda que 40% será destinado ao pagamento de honorários com advogados, e, por consequência, depois será repartido entre os familiares. “O assunto indenização sempre foi muito doloroso de ser falado pelos familiares. Tanto que por muito tempo ninguém queria se manifestar. Não tem como você pensar no valor de uma vida. Mas a indenização, que é histórica, tem um valor simbólico, porque sabíamos que ninguém seria preso, como efetivamente ocorreu”, avaliou, sem esconder o quão ainda é delicado o assunto.

 

Ele lembrou que de todas as famílias das vítimas, apenas uma não fechou acordo ainda e outra manifestou que não queria nenhuma indenização. “É um assunto muito particular e doloroso”, resumiu. Algum tempo após o acidente, incentivadas pelo Ministério Público e Defensoria Pública, Procon de São Paulo, algumas famílias negociaram a indenização pela Câmara de Conciliação.

 

A tragédia vitimou 199 pessoas, que estavam no voo ou em solo. A aeronave explodiu após não conseguir pousar no aeroporto de Congonhas, em São Paulo, e colidindo contra uma estrutura da própria empresa, que ficava do lado de fora da pista. O voo havia saído de Porto Alegre com destino a São Paulo, no dia 17 de julho de 2007.

Fonte: CP

O deputado federal Covatti Filho (PP/RS) comemorou a aprovação, nesta quarta-feira, do projeto de lei complementar (PLC 171/15) que estabelece novas regras de parcelamento de dívidas das micro e pequenas empresas perante o Simples Nacional (Supersimples). A matéria será enviada ao Senado.

O texto garante o parcelamento de débitos com o regime especial de tributação vencidos até a competência de novembro de 2017, aplicando-se inclusive para aqueles parcelados inicialmente pela Lei Complementar 123/06 e pela Lei Complementar 155/16, que reformulou regras do regime e permitiu parcelamento em 120 meses.

Por meio do Programa Especial de Regularização Tributária das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pert-SN), as empresas devedoras terão de pagar 5% do valor da dívida consolidada, sem reduções, em até cinco parcelas mensais e sucessivas.

O restante poderá ser parcelado com descontos de 100% dos encargos legais e honorários advocatícios da seguinte forma:

- integralmente, com redução de 90% dos juros de mora e de 70% das multas;

- parcelado em 145 meses, com redução de 80% dos juros de mora e de 50% das multas; ou

- parcelado em 175 meses, com redução de 50% dos juros de mora e de 25% das multas.

O valor mínimo das prestações será de R$ 300,00, exceto para os microempreendedores individuais (MEI), cujo valor será estipulado pelo Conselho Gestor do Simples Nacional (CGSN).

Os interessados poderão aderir ao parcelamento em até 90 dias após a data de publicação da futura lei complementar. O pedido implicará a desistência de parcelamento anterior. As prestações mensais serão acrescidas da taxa Selic e de 1% relativo ao mês de pagamento.

De acordo com o deputado Covatti, o projeto vai estimular as micro e pequenas empresas para que voltem a produzir, fornecer e empregar. “A medida vai permitir que mais de 600 mil micro e pequenas empresas inadimplentes permaneçam no regime especial do Supersimples, com condições diferenciadas para competir com os grandes negócios”.

 

A resolução do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) que modifica a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) vai ser publicada até o fim da semana. Dessa vez, a mudança ocorre no formato da carteira: o documento, que hoje é emitido em papel, passa a ser em cartão de plástico e equipado com um microcontrolador (chip).

Os Estados terão até 1º de janeiro de 2019 para se adequar ao novo modelo. Os motoristas farão a troca na renovação do documento ou emissão de primeira via. Os dois modelos serão aceitos no primeiro ano de implementação do sistema e a substituição deve ser gradual.

De acordo com o Ministério das Cidades, a adoção de chip na carteira é para oferecer mais segurança à população e possibilitar a integração com outros países. “Buscamos a modernização, inovação como muitos países já adotaram para aumentar a segurança, reduzir a probabilidade de ocorrência de fraudes e aumentar a durabilidade”, explicou o ministro Alexandre Baldy.

A nova CNH considera a possibilidade de inserção de dados e informações relativos aos condutores nos chips e também facilita o acesso a certificados digitais.

Os dados gravados no chip serão controlados pelo Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), que pode permitir, através de convênio, que outras entidades públicas ou privadas utilizem “pastas ou aplicações específicas” dentro do chip, sem correr o risco de leitura ou gravação indevida de dados protegidos e sob sigilo.

Funcionalidades da nova carteira

- Fiscalização mais rápida e off line (sem o uso de dados) utilizando telefones celulares;

- Pagamento de pedágio;

- Pagamento de transporte público;

- Controle de acesso (prédios públicos, universidades, estacionamentos);

- Identificação através de comparação biométrica (as digitais estarão carregadas dentro do chip e poderão ser usadas para validar a identidade em bancos, serviços públicos, e-Governo, etc);

Fonte:Correio do Povo

O PMDB gaúcho lançou no final de semana a candidatura do ex-senador Pedro Simon à presidência da República em 2018. O anúncio foi feito pelo presidente estadual do partido, deputado federal Alceu Moreira, durante encontro da legenda em Arambaré. “Quem, além de Simon, com tamanha reserva moral e história política, o PMDB tem a oferecer ao país?”, questionou Moreira. Ele acrescentou que vai articular a proposta junto ao comando do partido dos estados de Santa Catarina e Paraná.

Alceu Moreira disse ainda que o partido pretende disputar as eleições de 2018 ocupando todos os espaços possíveis.“O PMDB tem o propósito de ir para a eleição com um candidato a governador, dois ao Senado e a nominata proporcional completa. Vamos buscar todos os espaços”, afirmou aos militantes. Ele ressaltou que o partido tem consciência da importância da formação de alianças para a reeleição ao governo estadual, mas destacou que a ideia inicial é estimular o preenchimento de todas as vagas.

Na prática, o PMDB pretende lançar o governador José Ivo Sartori à reeleição, mas o desgaste do mandato atual vem sendo considerado. Além disso, o partido tenta negociar a composição da chapa com, pelo menos, o PP e o PSB, depois de ver frustradas suas expectativas com o PSDB. Presente no encontro, o ex-governador Germano Rigotto teve o seu nome lançado para uma das vagas ao Senado.

Fonte: CP

Ninguém acertou as seis dezenas da Mega-Sena, sorteadas neste sábado em Cardoso Moreira, no Rio de Janeiro. O prêmio principal acumulou no concurso 1.993 e poderá pagar R$ 6,7 milhões na próxima quarta-feira.

As dezenas sorteadas foram: 06 – 17 – 33- 48 – 50 – 57.

A Quina foi acertada por 39 apostas que poderão sacar R$ 42.108,85. A quadra, por sua vez, teve 3.063 acertadores que levam R$ 765,93.

 

Duas apostas sairam ganhadoras no sorteio da Mega-Sena, realizado nesta quarta-feira em Cardoso Moreira, Rio de Janeiro. Cada ganhador, um residente em Campos Belos, em Goiânias, e outro de Araguari, de Minas Gerais, receberá o valor total de R$ 32,9 milhões. A estivativa para o prêmio do próximo concurso, que ocorre neste sábado, é de R$ 2,5 milhões.

 

Os números sorteados foram: 05-11-13-21-53-54

 

De acordo com a Caixa, 142 apostadores acertaram a Quina e garantiram uma bolada de R$ 28.999,41. A Quadra foi acertada por 1.1405 apostas, que poderão ser trocadas por R$ 515,80.

Fonte: CP

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou nesta quarta-feira projeto de lei que altera o Estatuto de Desarmamento e autoriza a aquisição de arma de fogo por moradores de áreas rurais. A medida ainda precisa passar pela Câmara antes de ser enviada para sanção presidencial. A proposta, do senador Wilder Morais (PP-GO), tem como justificativa a segurança de moradores de áreas afastadas dos grandes centros urbanos.

"É nessa esteira que propomos este Projeto de Lei, visando a assegurar aos residentes em áreas rurais o direito de adquirir uma arma de fogo de uso permitido para utilização em suas propriedades, as quais, não raro, encontram-se a centenas de quilômetros de um posto policial, o que coloca inúmeras famílias à mercê do ataque de criminosos ou, até mesmo, de animais silvestres, não assistindo a elas quaisquer meios de defesa de sua vida e de sua propriedade", afirma o senador ao justificar a proposta.

O projeto, porém, prevê apenas a posse da arma de fogo, não liberando o porte. Ou seja, o morador de área rural que comprar uma arma de fogo poderá mantê-la em sua casa, mas não poderá carregá-la quando se deslocar para outros locais. A condição para que a arma seja adquirida é de que a pessoa tenha mais de 21 anos.

Esta não é a primeira vez que um projeto que cria exceções ao Estatuto do Desarmamento é aprovado no Senado. No mês passado, proposta que autorizava o uso de armas por agentes de trânsito foi vetada pelo presidente Michel Temer. Na ocasião, Temer argumentou "contrariedade ao interesse público".

Arma branca

Na mesma reunião, a CCJ também aprovou projeto que tipifica o crime de porte de arma branca (faca, canivete e estilete). A proposta prevê pena de até três anos de detenção. "Constitui crime, punível com detenção, de um a três anos, e multa, o porte de artefato perfurante, cortante ou contundente com a finalidade de praticar crime", diz o texto do projeto, que abre exceção para casos em que o artefato seja destinado para emprego em "ofício, arte ou atividade para o qual foi fabricado".

O projeto ainda precisa ser analisado na Câmara dos Deputados.

Fonte: CP

A partir de dezembro, o cidadão que for tirar o passaporte precisará apresentar um número menor de documentos. A dispensa dos comprovantes de quitação eleitoral, de serviço militar e do comprovante de pagamento da taxa começará a ser implementada gradualmente a partir do fim do próximo mês e valerá para todo o país até o final de 2018. A medida faz parte do programa do governo federal Brasil Eficiente.

Criado em março deste ano, o programa tenta desburocratizar a oferta de serviços e reduzir custos. Além da emissão do passaporte, outros serviços vão passar por processo de desburocratização. "O objetivo é a simplificação administrativa, a modernização da gestão e a melhoria da prestação dos serviços públicos tanto para os cidadãos e sociedade civil como para as empresas com que o governo tem relação. É um modelo que busca também reduzir custos", explicou a subchefe de articulação e monitoramento da Casa Civil, Natália Marcassa.

 

No caso do passaporte, permanece a obrigatoriedade de apresentar o documento de identidade, CPF e naturalidade. Os documentos que tiveram a apresentação dispensada serão buscados na base dados do governo pelo órgão responsável pela emissão do passaporte. Assim, o cidadão não terá que solicitar um documento em um órgão governamental para em seguida entregar em outro.

Foram retirados 800 mil litros de azeite de oliva com indícios de fraude, conforme anúncio do Ministério da Agricultura, nesta terça-feira. As adulterações no produto envolvem 64 marcas e 84 empresas. Durante fiscalizações, foram encontrados azeite "lampante" (não refinado) e outros óleos, como de soja, o que não é permitido pela legislação. Em 311 amostras, coletadas em todo o Brasil, foram achadas, ainda, falhas de informação nos rótulos.

 

Na operação para identificar as fraudes, 120 profissionais auditaram indústrias envasilhadoras e empresas varejistas e atacadistas. Conforme a auditora fiscal Fátima Parizzi, do total de amostras coletadas e encaminhadas ao Rio Grande do Sul para o Laboratório Nacional Agropecuário (Lanagro), 33 estavam dentro dos padrões de qualidade estabelecidos pelo Ministério da Agricultura. Outras 43 amostras, resultaram “não conformes”, por se enquadrarem como ”fora do tipo”, ou ”desclassificados”. A comercialização foi suspensa e os produtos retirados do mercado”.

 

Os produtos de origem nacional tiveram mais fraudes que os importados. “Praticamente 100% das marcas envasilhadas no Brasil apresentaram problemas, enquanto que, nas marcas envasilhadas no país de origem, são mínimos os índices de não conformidade”.

Fonte: CP