Um homem morreu após acidente ocorrido na madrugada de sábado, na altura do quilômetro 413, da rodovia federal BR 290, em São Gabriel. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), dois veículos se envolveram em uma colisão frontal, sendo um caminhão, com placas de Porto Alegre, e um veículo Audi, com placas de Belo Horizonte.

O condutor do Audi morreu no local. A vítima, que não teve identidade revelada, tinha 30 anos e era natural do Rio Grande do Norte.

Já o motorista do caminhão foi encaminhado ao hospital para a realização de exames, mas não teve ferimentos constatados. Ele também efetuou o teste do etilômetro, que não apontou ingestão de álcool.

As causas do acidente não foram esclarecidas. Os veículos foram retirados da pista no início da manhã deste sábado.

Fonte: CP

A Polícia Civil desarticulou, na tarde dessa quarta-feira, um desmanche clandestino de veículos localizado ao lado de um centro credenciado do Departamento Estadual de Trânsito (Detran), em Gravataí, na região Metropolitana. Durante a ação, quatro funcionários credenciados ao Detran foram flagrados desmanchando um veículo roubado e presos por receptação e adulteração de sinal identificador de veículos.

De acordo com os delegados Thiago Bennemann e Adriano Nonnenmacher, que comandaram a ação, o grupo fez uma porta secreta que ligava o desmanche clandestino ao Centro de Desmanches Veiculares (CDV) credenciado ao Detran, onde eles trabalhavam. Segundo os delegados, os presos utilizavam como pretexto o credenciamento junto a órgãos administrativos para praticar os crimes.

Toneladas de peças automotivas entre motores, portas e carcaças de veículos foram encontradas. Durante vistoria, agentes da Delegacia de Furtos, Roubos, Entorpecentes e Capturas (Defrec) de Canoas e da Delegacia de Roubo de Veículos (DRV) do Deic, com apoio da Corregedoria do Departamento Estadual de Trânsito (Detran/RS), localizaram ainda um veículo roubado no final de julho, na cidade de Canoas.

“O veículo estava sendo desmanchado por quatro pessoas no exato momento da chegada dos policiais civis, razão pela qual os indivíduos foram autuados em flagrante por receptação e adulteração de sinais identificadores, eis que o veículo estava com placas falsas, clonadas”, explicaram Bennemann e Nonnenmacher.

Fonte: CP

A vítima fatal do acidente envolvendo um avião de pequeno porte em São Paulo foi identificada como Antonio Traversi, de 50 anos. Ele era natural de Pelotas, na zona Sul do Estado, e pilotava a aeronave da empresa Videplast, de Santa Catarina, que caiu por volta das 18h de domingo, no Aeroporto de Campo de Marte. Ainda não há informações sobre o velório.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, Traversi ficou preso às ferragens e não resistiu aos ferimentos, morrendo no local. Outras seis pessoas ficaram feridas. A Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), que administra o aeroporto, informou que o acidente ocorreu durante um procedimento de arremate, quando o piloto aborta um procedimento de pouso. De acordo com o Corpo de Bombeiros, houve um princípio de explosão ao tocar o solo.

Dois sobreviventes foram levados para a Santa Casa, um deles com trauma de abdômen e outro com trauma cranioencefálico leve. Dois passageiros foram encaminhados para hospitais particulares, o São Camilo e o San Paolo, com ferimentos na cabeça. Outro sobrevivente foi encaminhado para o Hospital Mandaqui. O passageiro que estava ao lado do piloto e que também ficou preso entre as ferragens foi socorrido por helicóptero e levado ao Hospital das Clínicas.

O avião de matrícula PPSZN é um bimotor com capacidade para sete passageiros fabricado pela Hawker Beechcraft, que pertence à empresa Videplast. De acordo com o registro na Agência Nacional de Avião Civil (Anac), o avião foi fabricado em 2008 e estava em estado regular.

Fonte: CP

A General Motors Mercosul vai suspender a produção em Gravataí por uma semana. A parada programada começa nesta segunda-feira e segue até 5 de agosto. 

De acordo com o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Gravataí, Valcir Ascari, que participou das reuniões com a empresa, a parada é influenciada pela greve dos caminhoneiros – que atrasou a chegada de peças para a montagem da nova plataforma – e também por uma questão técnica, já que é preciso sincronizar os tempos da linha de produção.

Ascari explicou que um acordo entre sindicato e empresa prevê que, em momentos de crise, existam paradas programadas. Segundo o presidente, os servidores não terão descontos na folha de pagamento devido à suspensão, já que compensam as horas durante o ano. Atualmente, a GM tem cerca de cinco mil funcionários.

Fonte: CP

Um motorista morreu na madrugada desta segunda-feira, após um acidente de trânsito na ERS 239, em Novo Hamburgo, no Vale do Sinos. De acordo com o Comando Rodoviário da Brigada Militar (CRBM), o caminhão que ele conduzia tombou no km 13 da rodovia, por volta das 3h40min. A vítima chegou a ser socorrida, mas não resistiu aos ferimentos e morreu a caminho do Hospital Geral de Novo Hamburgo.

Segundo CRBM, o homem, de 55 anos, teria perdido o controle do veículo quando seguia sentido Estância Velha, invadindo a pista contrária, onde o caminhão, com placas de Cachoeirinha, tombou.

O trânsito está intenso na região, mas, de acordo com com CRBM, não há congestionamento, já que o veículo está às margens da ERS 239. Ainda não há previsão para retirada do veículo, já que a carga precisa ser baldeada.

Fonte: CP

A 38ª edição da Coxilha Nativista terminou no sábado, em Cruz Alta, com a premiação dos vencedores. Artistas como Marcelinho Carvalho, Ângelo Franco, Ricardo Comasseto, Manuela Martins, Instrumental Picumã, Luiz Cardoso e Sinfonia Gaúcha, Leonel Gomez, Tangos, Yamandu Costa, Paquito e Joia, Luiz Carlos Borges e João de Almeida Neto animaram o público nos quatro dias de programação. A grande campeã deste ano foi a canção "Inventário de Campo", interpretada por Robson Garcia, com letra de Juliano Santos e Michel Plautz e melodia de Marcelo Araújo Nunes. A música também ganhou melhor letra e melodia.

O segundo lugar ficou com "Continuidade", que teve interpretação do Quarteto Coração de Potro (premiado como melhor conjunto vocal do festival), letra de Rafael Machado e melodia de Kiko Goulart e, em terceiro, "Nobre cavaleiro andante", interpretada por Pirisca Grecco, com letra e melodia de Carlos Eduardo Nunes.

Na Fase Local, as vencedoras foram "Meu coração em teu peito em primeiro lugar", que teve Juliano Moreno como intérprete, letra de Marçal Furian e melodia de Diego Guterres, "Rancheira de Domador" (também premiada como a mais popular), interpretada por Raineri Spohr com letra e melodia de Felipe Correa, e "O Legado dos Galpões" ficou em terceiro lugar, com interpretação de Cristiano Fantinel e Daniel Cavalheiro, letra de Luiz Onério Pereira e melodia de Fernando Soares.

O prêmio de melhor indumentária ficou com Pirisca Greco, melhor arranjo foi para Rosa de Pedra, João Paulo Deckert foi considerado o melhor instrumentista e o melhor intérprete foi Marcelo Oliveira.

A programação do final de semana incluiu o 28° Rodeio da Coxilha, concurso de trovas e outras atrações culturais. O festival teve início na última quarta-feira, no Ginásio Municipal, com as apresentações dos concorrentes na fase local. As exibições dos competidores e as eliminatórias seguiram na quinta e na sexta, além dos shows com convidados.

Fonte: CP

A Prefeitura de Cotiporã, na Serra, confirmou ter bloqueado, de forma preventiva, a ligação com a cidade vizinha de Bento Gonçalves através da ponte sobre o rio das Antas, em função da alta de nível.

A alternativa é utilizar a ERS-470, por Veranópolis, até que a situação se normalize. De acordo com o secretário de Obras, Valdir Falcade, desde outubro de 2017 as chuvas não interrompiam o acesso.

A estimativa para a liberação da via é de dois dias.

A 15ª edição do Carnaval Fora de Época de Uruguaiana, que acontecerá nos dias 21, 22 e 23 de março de 2019, já comercializou 25% dos ingressos disponíveis. 

Nesta quarta-feira, houve o anuncio da ordem dos desfiles. Ao todo, passarão pela avenida Presidente Vargas oito escolas de samba – sendo seis do Grupo Especial e duas do Grupo de Acesso. As entradas estão cotadas entre 18 opções, de arquibancadas a camarote. Os valores variam de R$ 80 a R$ 450 por pessoa, para as três noites, e o pagamento deverá ser feito por boleto emitido nos guichês montados na Rodoviária.

O evento é a maior festa popular da cidade e conta com a presença de turistas do Estado, eixo Rio-São Paulo e ainda dos vizinhos países, Argentina e Uruguai. A rede hoteleira, bares, restaurantes e serviços investem na data e têm no carnaval o maior faturamento do ano. A administração e coordenação dos desfiles de 2019 passou às mãos da iniciativa privada de uma empresa local. O poder público reitera que não repassará recursos do município para a realização do evento.

Uma operação da Polícia Civil, deflagrada na manhã desta terça-feira, combate o tráfico de drogas em 22 cidades do Rio Grande do Sul. A ofensiva, chamada de Android, tem o objetivo de cumprir 104 mandados judiciais. A intenção é desmantelar o comércio de entorpecentes praticado por suspeitos que integram uma organização criminosa, comandada de casas prisionais do Estado. Até o momento, 45 pessoas foram detidas.

São 43 mandados de prisão e 61 mandados de busca e apreensão domiciliar em Santo Augusto, Coronel Bicaco, Redentora, Campo Novo, Tenente Portela, Três Passos, Crissiumal, Independência, São José do Inhacorá, Três de Maio, Ijuí, Palmeira das Missões, Passo Fundo, Carazinho, Lagoa Vermelha, Lajeado, Dois Irmãos, Campo Bom, Montenegro, Novo Hamburgo, Charqueadas e Santiago, e na região de Florianópolis (SC).

Comando de quem está preso 

Durante as investigações, iniciadas em julho de 2017, os policiais descobriram que líderes do tráfico que estão presos comandaram e gerenciaram comparsas que realizavam o transporte, o fracionamento e a entrega de drogas para usuários. 

A estrutura da organização contava com gerentes regionais, responsáveis por recepcionar e distribuir a gerentes locais em cada cidade da região Celeiro drogas vindas do Vale do Sinos. Em cada cidade, controlados de forma rígida de dentro de presídios, traficantes locais fizeram funcionar “bocas de fumo”. O fenômeno, considerado novo na região pela Polícia Civil, foi marcado por intensa disputa de territórios de tráfico e “ajustes de contas” entre traficantes. 

Fonte: CP

A 6ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul condenou a boate Casa Nova, de Cachoeira do Sul, a indenizar em R$ 10 mil, por dano moral, uma transexual impedida de entrar no banheiro feminino. Por três votos a zero, os desembargadores entenderam que o estabelecimento agiu com preconceito.

O relator do caso, desembargador Niwton Carpes da Silva, escreveu que é direito dos transexuais “serem tratados socialmente de acordo com a sua identidade de gênero, inclusive na utilização de banheiros de acesso público, sendo que a violação desse direito importa em lesão direta a direito da personalidade, caracterizador de lesão extrapatrimonial”.

De acordo com a transexual, amigos a convidaram para dançar na casa noturna. Além de pagar mais caro para entrar, depois de ter sido avisada da cobrança diferenciada para transexual, e ter sido impedida de usar o banheiro feminino, ela teve de utilizar o masculino com acompanhamento de seguranças até a porta, que alegaram “ordens da casa”. Em uma das ocasiões, a transexual relata ter sido, inclusive, impedida de entrar na boate por estar de vestido.

No 1º grau, o juiz Afonço Carlos Bierhals condenou a casa noturna a pagar R$ 10 mil. Inconformado, o estabelecimento recorreu alegando que sempre buscou tratar a questão “sob o prisma da correlação entre os direitos dos demais frequentadores e regras” e que “em razão da reclamação de outros frequentadores”, buscou “coibir o uso de banheiros femininos por transexuais do gênero masculino, não podendo associar o caso por preconceito”.

O relator do processo no TJ destacou a importância do caso e lembrou que a matéria é discutida, também, no Supremo Tribunal Federal. Ele ainda citou o Código de Defesa do Consumidor, que impõe a fornecedores de serviços e estabelecimentos comerciais o dever de manter instalações em condições adequadas de segurança. Carpes também considerou que ao tomar atitude “claramente preconceituosa”, a empresa expôs a cliente a situação vexatória. Com isso, o desembargador manteve o valor fixado na sentença de 1º grau.