A Federação de Entidades Empresariais do Rio Grande do Sul (Federasul) promove, nesta sexta-feira, o 14° Congresso da entidade, em um hotel de Gramado, na Serra. Para a programação, foram convidados quatro pré-candidatos ao Palácio Piratini: Eduardo Leite (PSDB), Jairo Jorge (PDT), Luis Carlos Heinze (PP) e Mateus Bandeira (Novo).

Os participantes terão, cada um, 15 minutos para responder a questão “como construir um Rio Grande do Sul livre e favorável ao desenvolvimento?”. A pauta engloba temas como privatização e política tributária. O governador José Ivo Sartori (MDB) foi convidado para participar do encontro, mas declinou ao responder, à época do convite, que não era candidato à reeleição.

Hoje, o presidente estadual do PT, deputado federal Pepe Vargas, criticou, em nota oficial, a decisão da Federasul de não convidar os pré-candidatos alinhados à ideologia de esquerda, como Miguel Rossetto (PT), Abgail Pereira (PCdoB) e Roberto Robaina (PSol). Em nota, Pepe Vargas considerou “lamentável” a postura da Federação em restringir o debate.

A presidente da Federasul, Simone Leite, explica que os pré-candidatos do PT, PCdoB e PSol não foram convidados por não defenderem os valores liberais. “Nós não podemos ter saúde, educação e segurança, se não tivermos a geração de riqueza, que vem da base de uma arrecadação tributária, que é muito alta. Alguém tem que pagar essa conta. E quando a gente faz benesses e traz o Estado como provedor da sociedade, isto onera e encarece a uma parte da população, que somos nós, os empreendedores e trabalhadores do Rio Grande do Sul”, rebate.

Ex-candidata ao Senado, em 2014, pelo Partido Progressista (PP), Simone Leite garante que não vai sai em defesa de Heinze lembrando que, hoje, está à frente da Federação.

Confira nota do PT:

Nota do Partido dos Trabalhadores do RS

O Partido dos Trabalhadores recebeu com absoluta surpresa a decisão da Federasul de censurar ideologicamente os pré-candidatos participantes de seu debate pré-eleitoral ao não convidar Miguel Rossetto, Abgail Pereira e Roberto Robaina, já indicados pelos seus partidos como pré-candidatos ao Governo do Estado.

A postura da entidade rompe com uma tradição de civilidade e debate democrático e plural no Estado do Rio Grande do Sul. Nunca o Brasil precisou tanto de diálogo e democracia, diante de um horizonte de sectarismo, agressividade e autoritarismo na vida pública. É lamentável ver que uma entidade como a Federasul se transformou em instrumento da intolerância.

Que fique claro, não haverá um verdadeiro debate democrático e plural sobre opções para o desenvolvimento do Rio Grande no Congresso da Federasul, o que é lamentável para a democracia e o esclarecimento dos gaúchos e gaúchas.

Pepe Vargas – Presidente do PT/RS

O Rio Grande do Sul registra um caso importado confirmado de sarampo na cidade de São Luiz Gonzaga, nas Missões. De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde, a criança, de um ano de idade, não vacinada, contaminou-se em viagem à Europa, onde ocorre um surto da doença.

Em Porto Alegre, há cinco casos suspeitos sob investigação. O primeiro suspeito viajou para Manaus, onde também há ocorrência de surto.

As Américas foram consideradas livres de sarampo em setembro de 2016, após a ausência da circulação do vírus pelo período de 12 meses. Em 2018, o Brasil já soma 104 casos confirmados da doença, todos da forma importada. Além do RS, a doença apareceu em Roraima e Amazonas.

Os sintomas do sarampo incluem febre e manchas pelo corpo acompanhadas de tosse, coriza ou conjuntivite. O paciente deve procurar os serviços de saúde para a investigação diagnóstica, principalmente aqueles que estiveram recentemente em locais com circulação do vírus.

Casos suspeitos devem ser informados imediatamente às secretarias municipais de Saúde ou para o Disque Vigilância, pelo número 150.

A prevenção mais eficaz é a vacinação. Para ser considerada vacinada, a pessoa precisa ter o registro em caderneta, conforme o esquema vacinal.

A rede pública de saúde oferece gratuitamente a vacina Tríplice Viral para a população de 12 meses a 49 anos de idade e para profissionais de saúde e demais pessoas envolvidas na assistência à saúde hospitalar.

Quem é considerado vacinado:

– Pessoas de 12 meses a 29 anos que comprovem duas doses de vacina com componente sarampo/caxumba/rubéola;

– Pessoas de 30 a 49 anos que comprovem uma dose de Tríplice Viral;

– Profissionais de saúde independente da idade que comprovem duas doses de Tríplice Viral.

Fiscais da Receita Federal apreenderam, hoje, quase 3,5 mil garrafas de bebidas importadas sem nota fiscal, avaliadas em R$ 315 mil. O flagrante ocorreu perto do km 436 da BR 386, em Nova Santa Rita, na região Metropolitana de Porto Alegre. O veículo, com placas de Arroio Grande, vinha do Uruguai.

Nele, foram encontradas 696 garrafas de vodka, 2448 de uísque e 354 de espumante. O caminhão foi apreendido e o motorista encaminhado à Polícia Federal.

O governo estadual lançou, hoje, a Campanha do Agasalho 2018. Com o tema O seu guarda-roupa esconde verdadeiros tesouros, a iniciativa busca arrecadar qualquer tipo de roupa, com enfoque maior nas infantis, cuja doação é menor. A expectativa é recolher entre 300 mil e 350 mil peças, conforme o subchefe da Defesa Civil, major Jarbas Ávila.

O governo entende que existe um hábito entre amigos e familiares de passar adiante roupas infantis, mas lembra que é expressivo o número de crianças que sofrem com o frio. Além de agasalhos, é possível entregar alimentos não-perecíveis, cobertores e materiais de higiene. Os donativos podem ser levados à Central de Doações da Defesa Civil, na capital, ou a uma das nove coordenadorias regionais em funcionamento no Rio Grande do Sul – responsáveis pela triagem, separação e distribuição a municípios, instituições e entidades.

Segundo a Defesa Civil, em 2015 foram arrecadados 246.747 agasalhos; em 2016, 310.231; e em 2017, 325.940. Para a secretária extraordinária do Gabinete de Políticas Sociais (GPS) e primeira-dama estadual Maria Helena Sartori, a iniciativa não compete com as ações municipais e auxilia os municípios a ampliarem o resultado.

Hoje, o Gabinete e a Defesa Civil Estadual homenagearam o município que mais arrecadou agasalhos em 2017. Carlos Barbosa, na Serra, contribuiu com o maior número de donativos, suprindo a necessidade da comunidade e ainda ajudando outras cidades.

Confira os pontos de coleta:

– Centro Administrativo Fernando Ferrari (Caff), na Av. Borges de Medeiros, 1501 – Porto Alegre

– Órgãos públicos estaduais

– Quartéis da Brigada Militar e do Corpo de Bombeiros Militar do Rio Grande do Sul

– Supermercados Zaffari

– Unidades do Sesc/Senac no RS

A Defesa Civil também recolhe donativos mediante agendamento pelo telefone (51) 3288-6781.

As agências reguladoras que definem os valores das tarifas da Corsan homologaram o reajuste das contas de água, a partir de 1º de julho de 2018. Os índices, entre 2,12% e 2,59%, foram calculados com base em uma cesta de índices para o setor de saneamento, visando garantir o equilíbrio econômico-financeiro da empresa. O único município que ainda não teve o aumento homologado é Santa Cruz do Sul.

De acordo com a Corsan, os percentuais ficaram abaixo dos efetuados por outras companhias de saneamento, como a paulista Sabesp (3,507%) e a paranaense Sanepar (5,12%).

Confira abaixo quanto sobem as contas de água:

Municípios atendidos pela Corsan e conveniados à Agergs: 2,12%

Municípios atendidos pela Corsan e conveniados ao Pró-Sinos: 2,12%

São Borja (Agesb): 2,42%

Erechim (Ager): 2,59%

Santa Cruz do Sul (Agerst): reajuste não homologado até o momento

Foi publicado no Diário Oficial do Estado desta quarta-feira (30) a extinção de duas fundações vinculadas ao Poder Executivo: a Fundação de Ciência e Tecnologia (Cientec) e a Fundação Piratini, gestora da TVE e da FM Cultura. Os decretos de números 54.089 e 54.088 foram assinados pelo governador José Ivo Sartori.

Todos os 165 servidores da Fundação Piratini serão transferidos, a partir de 1º de junho, para um quadro especial da Secretaria de Comunicação (Secom). A Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia (SDECT) sucederá a Cientec e receberá seus servidores, igualmente em quadro especial. Os funcionários de ambas as fundações poderão ser relotados para órgãos da administração direta do Poder Executivo do Estado, desde que em funções compatíveis com seus cargos de origem.

Na Fundação Piratini, 53 servidores já foram demitidos (27 aderiram ao Plano de Demissão Voluntária). Nessa terça-feira, outros seis servidores foram demitidos e 19 Cargos em Comissão (CCs) foram exonerados, sendo três diretores. Vinte Funções Gratificadas (FGs) são extintas com a medida, gerando uma economia anual de aproximadamente R$ 700 mil. Apenas três CCs permanecem na Fundação Piratini para a baixa do registro da instituição: o presidente Orestes de Andrade Júnior, o diretor-geral Thomaz Schuch, e a assessora jurídica Maria Cícera Nascimento.

A TVE e a FM Cultura passam a ficar vinculadas à nova Diretoria de Radiodifusão e Audiovisual da Secretaria de Comunicação. Orestes de Andrade Jr. acumulará a presidência da Fundação Piratini com esta direção. “Devido ao desabastecimento de gasolina provocada pela greve dos caminhoneiros, tínhamos liberado os servidores até segunda-feira, 4 de junho. A TVE ficará plugada na TV Brasil até lá. A FM Cultura segue com programação gravada”, afirma Orestes de Andrade Jr. Ele lembra que o decreto ainda estabelece que o acervo patrimonial mobiliário e imaterial da Fundação será gerido e conservado pela Secom, que preservará o acesso aos dados e às informações de interesse público.

Dos 165 servidores que serão incorporados pela Secom, 28 têm estabilidade reconhecida pelo Estado, ou seja, possuíam cinco anos de serviço público quando da promulgação da Constituição de 1988. Os demais funcionários têm estabilidade precária, mantida por liminar na Justiça. O assunto está para ser apreciado no Superior Tribunal Federal (STF).

A extinção da Cientec e Fundação Piratini foi aprovada pela Assembleia Legislativa em 21 de dezembro de 2016, juntamente com o fechamento de outras quatro fundações: FDRH, FEE, Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul e Metroplan.

Apesar de o discurso do governo federal de que as manifestações estão encerrando, o protesto dos caminhoneiros chega ao nono dia com ainda mais mobilização no Rio Grande do Sul. De acordo com o Comando Rodoviário da Brigada Militar (CRBM), são 121 pontos em rodovias estaduais, onde há concentração de caminhoneiros – sendo que, nos demais dias, a média era de 80 pontos. O número deve ser ainda maior se contabilizadas as rodovias federais. Contudo, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) não está informando onde estão ocorrendo as manifestações.

O principal impacto da greve é a falta de combustível, que só está chegando a Capital e em outras cidades gaúchas porque a Brigada Militar está fazendo a escolta de alguns caminhões-tanque. Contudo, as manifestações em frente a refinarias ganham apoio de outras categorias – dificultando o transporte de combustível. Na Refap, em Canoas, além dos caminhoneiros, protestam no local outros sindicatos como o dos petroleiros, a Conlutas e alguns partidos políticos.

O Sindicato das Empresas Distribuidoras, Comercializadoras e Revendedoras de Gases em Geral no Rio Grande do Sul (Singasul) informou que o Estado não possui mais gás de cozinha à venda para os consumidores. Conforme o presidente da Singasul, Ronaldo Tonet, há seis mil revendedores no RS e nenhum deles dispõe do produto para a população neste final de semana. O desabastecimento deve prosseguir até quarta-feira (30).

Tonet garante que o problema é generalizado e que a falta do produto afeta, inclusive, o uso do chuveiro a gás. Portanto, a orientação é que a população economize o consumo de gás, utilizando chuveiro elétrico.

A Secretaria Estadual de Educação (Seduc) informa que estão suspensas as aulas desta segunda-feira em toda a rede pública estadual, devido à greve dos caminhoneiros. A Secretaria de Educação ressalta, no entanto, que nenhum aluno será prejudicado, já que as aulas serão totalmente recuperadas oportunamente.

A Seduc informou, também, que nesta segunda-feira, estará avaliando a manutenção ou não desta suspensão, atenta aos desdobramentos da greve, e na busca do melhor para os alunos e da comunidade escolar.

Dos 497 municípios gaúchos, 384 estão paralisando as atividades, na manhã desta sexta-feira, em função da greve dos caminhoneiros. Segundo Saulo Dias, presidente da Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs) e prefeito de Rio dos Índios, as cidades decretaram ponto facultativo. Nem as ambulâncias possuem combustível.

Dias salienta que em Rio dos Índios não há como transportar pacientes com risco de morte, por falta de combustível. A situação de calamidade visa direcionar os recursos disponíveis para os serviços indispensáveis, como da área da saúde. O presidente da entidade destaca também que muitos supermercados estão ficando sem alimentos e há pouca ração para os animais.

Existem duas minutas elaboradas pela Famurs, uma delas diz respeito ao ponto facultativo e a outra sobre a situação de calamidade pública. Cada município deve se adequar em uma das particularidades.

Segundo o presidente da Famurs, além da dificuldade enfrentada pela falta de combustível, os municípios temem ser ainda mais afetados com a possível redução ou suspensão da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) sobre o diesel. Para Dias, todos os municípios do país serão atingidos caso isso ocorra. “Não somos contra tirar a Cide, mas vai atingir os municípios mais uma vez, que vão ficar penalizados, já que 5% eram repassados aos municípios… era um valor importante que utilizávamos para tapar buracos, fazer manutenção de rodovias e estradas vicinais e para compra de combustíveis”, disse.

Fonte: CP