Acordeon, violão, violino e o talento musical de Fernando Ávila Trio aqueceram a noite de domingo no Projeto Medianeira Instrumental

 

Ao som de acordeon, violão e violino, dezenas de pessoas aqueceram o corpo e a alma durante a 7ª apresentação do Projeto Cultural Medianeira Instrumental, desenvolvido pela Arquidiocese de Santa Maria.

O espetáculo musical proporcionado Fernando Ávila Trio, aconteceu na noite de domingo, dia 17 de junho, no Santuário Basílica da Medianeira, em Santa Maria.

Na noite fria, mas que foi aquecida com a boa música instrumental, o acordeonista Fernando Ávila apresentou ao público presente o concerto “A Lua de Santiago”, acompanhado dos músicos Felipe Martini (violão) e Ariel Polycarpo (violino).

A Lua de Santiago é o primeiro álbum da carreira do compositor e acordeonista Fernando Ávila, cujas canções transitam pela música regional do Rio Grande do Sul e também pela música brasileira e latino-americana.

O disco traz a sonoridade da música de câmara, conciliando acordeon e quinteto de cordas. Além das obras de Ávila, o repertório tem músicas de Frank Marocco, Felipe Martini e João Paulo Sefrin, bem como o poema de Róger Wiest que dá título ao projeto.

Durante o evento, o músico interagiu com o público e falou sobre o trabalho “A Lua de Santiago” que surgiu em 2017 a partir de um menino de três anos chamado Santiago, filho de um amigo do músico que mostrou a ele a lua cheia no céu e este momento marcou o cantor que se inspirou a compor a música “Luna” dedicada ao menino. O pai do menino, o compositor Róger Wiest também compôs um poema que é recitado no início da música.

Um dos destaques da apresentação foi de que o repertório de 15 canções apresentado no domingo, todas as músicas são de autoria de Fernando Ávila e Felipe Martini, exceto Ária Metropolitana e Walking Clown, de Mariano Telles e Ricardo Bordin.

Durante uma hora de apresentação, o público teve a oportunidade de interagir com os artistas e aprovaram o repertório com muitos aplausos. Ao final da apresentação os artistas receberam os cumprimentos do público, participaram de sessão de fotos e autografaram CDs.

Apesar de jovens, os integrantes do trio mostraram talento e profissionalismo na música e também muita simpatia que conquistou o público.

“Maravilhoso espetáculo, são muitos talentosos”, disse Claudia Squarcieri, uma das expectadoras que não perde uma apresentação do Projeto Medianeira Instrumental, acompanhada do filho Davi.

A apresentação também contou com a presença do Arcebispo Dom Hélio Adelar Rubert, patrocinadores do projeto, representantes de entidades, estudantes do curso de música da UFSM e demais apreciadores da música instrumental.

O Projeto “Medianeira Instrumental” é desenvolvido pela Arquidiocese de Santa Maria, através da Lei Rouanet. As apresentações acontecem sempre no terceiro domingo de cada mês após a celebração eucarística e a entrada é franca. A apresentação foi gravada e irá ao ar pela Rede Vida de Televisão no sábado, dia 30 de junho, ás 10h30min.

Franciele Volpatto

Assessoria de Comunicação do Projeto Cultural Medianeira Instrumental

 

Guantánamo Groove e Orquestra Itaimbé foram aplaudidos em pé durante apresentação na Basílica da Medianeira

 

Foi na noite de domingo, dia 20 de maio que a Guantánamo Groove e Orquestra Itaimbé subiram ao palco da Basílica da Medianeira pela segunda vez para fazerem uma bonita apresentação instrumental.

Dessa vez, o grupo foi a atração da 6ª edição do Projeto Cultural Medianeira Instrumental desenvolvido pela Arquidiocese de Santa Maria. O frio da noite de domingo não impediu que centenas de pessoas fossem até o Santuário para ver de perto parte do repertório do grupo que se apresentou com 10 integrantes utilizando violão, violinos, viola, violoncelo, piano, baixo, trombone, flauta transversal, bateria e percussão.

 A Guantánamo Groove busca inspiração nas cenas e personagens cotidianas para moldar sua lírica, cruzando inspirações sonoras de grooves explosivos, sofisticação jazzy e arquétipos regionais do Brasil entre a metrópole e a província.

Fizeram parte do repertorio apresentado no domingo, 11 músicas, entre elas: Prelúdio, de Márcio Echeverria Gomes, A Culpa, de Gustavo Borges Kraemer, Suave é a Noite, de Gustavo Borges Kraemer, João do Santo Expedito, de Yuri ML e Erick Corrêa, Itaimbé, de Gustavo Borges Kraemer, Gratidão, de Gustavo Borges Kraemer, entre outras.

O grupo já gravou trabalhos como EP Boca (2014), CD OCUPA (2016) e CD Guantánamo Groove e Orquestra Itaimbé ao vivo no Theatro Treze de Maio.

Durante a apresentação, os integrantes da banda agradeceram a oportunidade que tiveram de se apresentar na Basílica da Medianeira que através do Projeto Cultural Medianeira Instrumental abriu as portas para a banda divulgar o seu trabalho, no palco por onde já passaram grandes nomes da música instrumental ao longo de suas duas edições.

Participaram do evento empresários apoiadores do projeto, lideranças religiosas e políticas, integrantes de entidades ligadas a cultura e apreciadores da boa musica instrumental.

O Projeto “Medianeira Instrumental” é desenvolvido pela Arquidiocese de Santa Maria, através da Lei Rouanet. As apresentações acontecem sempre no terceiro domingo de cada mês após a celebração eucarística e a entrada é franca. A apresentação foi gravada e irá ao ar pela Rede Vida de Televisão no sábado, dia 26 de maio, ás 10h30min.

A próxima edição do Projeto Cultural Medianeira Instrumental acontece no dia 17 de junho, ás 19h, com atração a ser definida.

 Franciele Volpatto

Assessoria de Comunicação do Projeto Cultural Medianeira Instrumental

 

 

A Associação Orquestrando Arte foi recebida com muitos aplausos na noite de domingo, dia 15 de abril, no Santuário Basílica da Medianeira. O grupo foi a atração da 5ª apresentação da 2ª edição do Projeto Cultural Medianeira Instrumental, desenvolvido pela Arquidiocese de Santa Maria.

Centenas de pessoas lotaram as dependências do Santuário para ver de perto a apresentação que contou com a participação de instrumentos como violinos, violas, violoncelos, contrabaixos, flautas transversais, flauta doce, clarinete, trompete, trimpacto, tuba e percussão.

Os 50 integrantes da orquestra sob o comando da maestrina Elen Ortiz se apresentaram para um público de mais de 700 pessoas que prestigiaram uma linda apresentação que envolveu música, dança, teatro e coral.

A apresentação que durou cerca de uma hora contou com um repertório composto por 8 canções, entre elas o tema do Filme a “Bela e a Fera”, tema do filme “Piratas do Caribe” e Luar de Nápoles. O grupo foi aplaudido em pé pelo público presente que saiu do Santuário encantado com o talento dos jovens artistas.

A Associação Orquestrando Arte é uma instituição, sem fins lucrativos, que foi fundada em fevereiro de 2014, e desenvolve gratuitamente o Programa Orquestrando Arte - Incubadora Sociocultural Infantojuvenil, que é uma ação de inclusão social e cultural.

O programa oportuniza às crianças, adolescentes e jovens, o acesso ao aprendizado da música orquestral, canto coral, dança, teatro, apoio pedagógico e formação humana, convívio social, fortalecimento de vínculos familiares e comunitários. Atualmente o projeto atende 140 alunos, dos 06 aos 29 anos.

O Projeto “Medianeira Instrumental” é desenvolvido pela Arquidiocese de Santa Maria, através da Lei Rouanet. As apresentações acontecem sempre no terceiro domingo de cada mês e a entrada é franca. A apresentação foi gravada e foi ao ar pela Rede Vida de Televisão no sábado, dia 28 de abril, ás 10h30min.

A 5ª apresentação da 2ª edição do Projeto Cultural Medianeira Instrumental acontece no domingo, dia 20 de maio, ás 19h, na Basílica da Medianeira com atração a ser definida.

Franciele Volpatto

Assessoria de Comunicação do Projeto Cultural Medianeira Instrumental

Talento, cultura e música de qualidade no Projeto Cultural Medianeira Instrumental

 

O forte calor que assolou Santa Maria e região não impediu que dezenas de apreciadores da música instrumental fossem até o Santuário Basílica da Medianeira para ver de perto a apresentação do Quinteto Persch, no domingo, dia 18 de março.

Vindo da Capital Gaúcha, Porto Alegre, e formado por Adriano Persch, André Machado, Daniel Castilhos, Ezequiel de Toni e Luciano Rhoden, o grupo encantou os presentes com lindas canções instrumentais interpretadas com gaita.

Quem assistiu ficou encantado com a simpatia e talento dos acordeonistas que embalaram o público ao som de Funiculi Funicula, Milonga para as Missões, Primavera Porteña, Feira de Mangaio, entre tantas outras canções durante uma hora de apresentação.

Com 19 anos de estrada, o Quinteto Persch é o único grupo no país com essa formação instrumental de música de câmara e proposta artística utilizando o Acordeon. O grupo já participou de mais de 260 concertos realizados em teatros, auditórios, Universidades, festivais de música nacionais e internacionais e possui três CDs gravados.

Um bom público foi até a Basílica e prestigiou a apresentação que foi gravada e irá ao ar pela Rede Vida de Televisão no sábado, dia 31 de março, ás 10h30min.

Além de apreciadores da música instrumental, também participaram do evento os patrocinadores do projeto, estudantes e autoridades religiosas.

O Projeto “Medianeira Instrumental” é desenvolvido pela Arquidiocese de Santa Maria, através da Lei Rouanet. As apresentações acontecem sempre no terceiro domingo de cada mês e a entrada é franca.

Esta foi a 4ª apresentação da 2ª edição do Projeto Cultural Medianeira Instrumental. A próxima apresentação acontece no dia 15 de abril, coma tração a ser definida.

 

Franciele Volpatto

Assessoria de Comunicação do Projeto Cultural Medianeira Instrumental

 

Quinteto Persch se apresenta neste domingo, na Basílica da Medianeira

 

No próximo domingo, dia 18 de março, os apreciadores da boa música instrumental tem encontro marcado, ás 19 horas, no Santuário Basílica da Medianeira, para a 4ª apresentação da 2ª edição do Projeto Cultural Medianeira Instrumental.

A atração será o Quinteto Persch, vindo da Capital Gaúcha Porto Alegre, formado por Adriano Persch, André Machado, Daniel Castilhos, Ezequiel de Toni e Luciano Rhoden.

O quinteto iniciou suas atividades em 1999, em Porto Alegre, tendo como objetivo, difundir o Acordeon através da música de câmara, demonstrando sua versatilidade e oportunizando a exploração do instrumento com repertório erudito.

Em 2018, o grupo completa 19 anos de atividades ininterruptas sendo o único grupo no país com essa formação instrumental de música de câmara e proposta artística utilizando o Acordeon.

Em sua bagagem musical o Quinteto Persch traz a participação em mais de 260 concertos realizados em teatros, auditórios, Universidades, festivais de música nacionais e internacionais.

Com três CDs gravados, o quinteto roda o Brasil e países vizinhos mostrando seu talento e habilidade na música instrumental, tendo sido premiado em diversas oportunidades em concertos e festivais.

Com um repertório composto por 12 canções, grupo de acordeonistas gaúcho selecionou obras de Severino Dias de Oliveira, J. Strauss, Luigi Denza, Carlos Gomes, Cesar Guerra-Peixe, Gilberto Monteiro, entre outros para apresentar ao público em Santa Maria.

Conheça os músicos:

André Machado - compositor e arranjador, é especialista em Educação Musical para Professores da Educação Básica. Além disso, é professor de Música na rede municipal de ensino de Porto Alegre e atua em diversos grupos de folclore, participando em festivais e encontros de música.

Adriano Persch - músico e professor da Fundação Municipal de Artes, de Montenegro (Fundarte), onde coordenou duas edições do Encontro de Acordeonistas. Estudou acordeon com o professor Oscar dos Reis, de Caxias do Sul.

Daniel Castilhos - solista convidado da Orquestra de Câmara Fundarte e da Orquestra de Câmara da Ulbra, é graduando em Música e atua no Clube do Professor Gaúcho, em Porto Alegre, além de desenvolver projetos de música de câmara com diversas formações instrumentais.

Ezequiel de Toni - estudou acordeon com o professor Oscar dos Reis e é professor de acordeon, em Bento Gonçalves. Além disso, participa em diversos grupos de folclore, festivais e encontros de música.

Luciano Rhoden – é professor de acordeon na Fundação Municipal de Artes, de Montenegro e no Instituto de Educação, de Ivoti.

O Projeto “Medianeira Instrumental” é desenvolvido pela Arquidiocese de Santa Maria, através da Lei Rouanet. As apresentações acontecem sempre no terceiro domingo de cada mês e a entrada é franca.

A apresentação será gravada e irá ao ar pela Rede Vida de Televisão no sábado, dia 31 de março, ás 10h30min.

Franciele Volpatto

Assessoria de Comunicação do Projeto Cultural Medianeira Instrumental

 

Na noite de domingo, dia 18 de fevereiro, o Santuário Basílica Nossa Senhora Medianeira abriu as portas para receber um grande público que prestigiou mais uma apresentação do Projeto Cultural Medianeira Instrumental, da Arquidiocese de Santa Maria.

Quem subiu ao palco e proporcionou aos presentes um belíssimo espetáculo de música instrumental foi a Orquestra Jovem Recanto Maestro, de São João do Polêsine.

Com a direção geral de Claudio Carrara, a direção pedagógica do Maestro Antônio Borges Cunha, a direção musical do compositor Vagner Cunha, a direção de Orquestras Infantis de Julian Ramos e a coordenação de Michael Penna, os instrumentistas tocaram e encantaram o público que lotou as dependências do Santuário Basílica.

O Projeto Orquestra Jovem Recanto Maestro é mantido pela Fundação Antônio Meneghetti com a execução da Associação OntoArte, e conta com o apoio do Ministério da Cultura. 

Mais de 40 alunos se apresentaram com um repertório formado por 13 canções utilizando com os mais variados instrumentos, entre eles violino, viola, violoncelo, contrabaixo, flauta, oboé, clarinete, fagote, trompa, trompete, trombone e percussão.

Estudantes de todas as idades mostraram seu talento e habilidade com os instrumentos e ao mais pequenos encantaram com a simpatia e dedicação que expressaram através da música. O show cultural foi aplaudido em pé pelo público que saiu da Basílica satisfeito com o espetáculo proporcionado pela Orquestra.

Simpatizantes da música instrumental de Santa Maria, São Pedro do Sul e região da Quarta Colônia, familiares dos músicos, o Arcebispo Dom Hélio Adelar Rubert, Irmãs e demais padres da Arquidiocese prestigiaram o evento.

O Projeto “Medianeira Instrumental” é desenvolvido pela Arquidiocese de Santa Maria, através da Lei de Incentivo à Cultura. As apresentações acontecem sempre no terceiro domingo de cada mês e a entrada é franca.

Esta foi a 3ª, das 11 apresentações previstas para a 2ª Edição do Projeto Cultural Medianeira Instrumental.  A apresentação foi gravada e irá ao ar pela Rede Vida de Televisão no sábado, dia 24 de fevereiro, ás 10h30min. A próxima apresentação acontece no dia 18 de março, ás 19h, com atração ainda a ser definida.

Franciele Volpatto

 

Assessoria de Comunicação do Projeto Cultural Medianeira Instrumental

 

O Santuário Basílica Nossa Senhora Medianeira se prepara para receber no domingo, dia 18 de fevereiro, ás 19h, mais uma apresentação do Projeto Cultural Medianeira Instrumental. A atração será a Orquestra Jovem Recanto Maestro, de São João do Polêsine que já passou pelo palco da Basílica durante a 1º edição do Projeto em 2017.

O Projeto Orquestra Jovem Recanto Maestro é mantido pela Fundação Antônio Meneghetti com a execução da Associação OntoArte, e conta com o apoio do Ministério da Cultura. 

Entre as peculiaridades do projeto está a metodologia exclusiva de ensino baseada na missão “tocar para ser” e nos valores de excelência, protagonismo responsável e estética como ética.

Na Orquestra, os alunos têm a oportunidade de experimentar e escolher seu instrumento preferido entre as opções de instrumentos de cordas, sopros e percussão.

A Orquestra Jovem Recanto Maestro tem a direção geral de Claudio Carrara, a direção pedagógica do Maestro Antônio Borges-Cunha, a direção musical do compositor Vagner Cunha, a direção de Orquestras Infantis de Julian Ramos e a coordenação pedagógica de Michael Penna.

No dia 18 de fevereiro, a Orquestra composta por 35 alunos e 14 professores se apresenta em Santa Maria com um repertório formado por 13 canções que serão repercutidas com os mais variados instrumentos, entre eles violino, viola, violoncelo, contrabaixo, flauta, oboé, clarinete, fagote, trompa, trompete, trombone e percussão.

O Projeto “Medianeira Instrumental” é desenvolvido pela Arquidiocese de Santa Maria, através da Lei de Incentivo à Cultura. As apresentações acontecem sempre no terceiro domingo de cada mês e a entrada é franca.

Esta será a 3ª, das 11 apresentações previstas para a 2ª Edição do Projeto Cultural Medianeira Instrumental.  A apresentação será gravada e irá ao ar pela Rede Vida de Televisão no sábado, dia 24 de fevereiro, ás 12h45min.

Franciele Volpatto

 

Assessoria de Comunicação do Projeto Cultural Medianeira Instrumental

Olhares atentos e muitos aplausos resumem a apresentação de Junior Benaduce & Grupo Raízes, no Medianeira Instrumental

 

No domingo, dia 14 de janeiro, o Santuário Basílica Nossa Senhora Medianeira foi palco de mais uma apresentação do Projeto Cultural Medianeira Instrumental, da Arquidiocese de Santa Maria.

O evento foi abrilhantado pelo talento e simpatia de Junior Benaduce & Grupo Raízes, de Santa Maria. Com a alma na ponta dos dedos, o quarteto cantou, tocou e emocionou o público presente com clássicos da música nativista.

O show cultural foi dividido em duas partes, sendo que na primeira foram repercutidas 8 músicas instrumentais entre elas: Céu Sol, Sul, Terra e Cor (Leonardo), Bugiu da Doralice (Adenir Compositor); Milonga para as Missões (Gilberto Monteiro) e Vento Negro (José Fogaça). A segunda parte do espetáculo teve 09 músicas interpretadas com vocal, entre elas: No Coração do Rio Grande (Osvaldo Medeiros); Tropa de Osso (Luiz Carlos Borges); Esquilador (Elton Saldanha); O Ouro dos Arrozais (Elton Saldanha) e Santa Maria (Beto Pires), entre tantas outras canções.

O Grupo Raízes é filho de Santa Maria e há 23 anos, anima bailes e festas na região. Ao todo, o grupo tem 6 CDs gravados e diversas participações nos festivais do Rio Grande do Sul.

Os músicos já passaram pelo Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Minas Gerais, Bahia, Rio de Janeiro, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Uruguai e Argentina.

Composto por Junior Benaduce (violão, baixo e vocalista), Josemar Dias (violão, viola e vocais), Gabriel Pereira (Acordeonista e vocal), e Vanderson Rocha (percussão), quarteto mostrou todo seu talento durante quase duas horas de espetáculo que foi apreciado com olhares atentos e muito aplaudido por um público de mais de 300 pessoas que foi até o Santuário Basílica da Medianeira no final da tarde de domingo.

Para Junior Benaduce, foi um prazer se apresentar na Casa da Mãe Medianeira, na terra natal do grupo que é filho de Santa Maria e que sempre foi muito bem recebido onde se apresenta. Ele agradeceu ao Pe. Silvio Weber, Diretor do Projeto Cultural Medianeira Instrumental pela oportunidade de fazer parte do Projeto se apresentando com seu grupo.

O Projeto “Medianeira Instrumental” é desenvolvido pela Arquidiocese de Santa Maria, através da Lei de Incentivo à Cultura. As apresentações acontecem sempre no terceiro domingo de cada mês e a entrada é franca.

Esta foi a 2ª apresentação, das 11 apresentações previstas para a 2ª Edição do Projeto Cultural Medianeira Instrumental.  A apresentação foi gravada e irá ao ar pela Rede Vida de Televisão no sábado, dia 27 de janeiro, ás 12h45min.

A próxima apresentação acontece no dia 18 de fevereiro, ás 19h, no Santuário Basílica da Medianeira e a atração será a Orquestra Jovem Recanto Maestro de São João do Polêsine.

 

Franciele Volpatto

 

Assessoria de Comunicação do Projeto Cultural Medianeira Instrumental

Dezenas de pessoas prestigiaram a apresentação da Orquestra Infantojuvenil São Vicente Pallotti

 

Na noite de domingo, dia 17 de dezembro, o Santuário Basílica Nossa Senhora Medianeira recebeu dezenas de pessoas que prestigiaram a 1ª apresentação da 2ª edição do Projeto Cultural Medianeira Instrumental, da Arquidiocese de Santa Maria.

Para abrir com chave de ouro a 2ª edição do Projeto, a atração convidada foi a Orquestra Infantojuvenil São Vicente Pallotti, que dividiu o palco com o Grupo Tamborico, que também faz parte dos projetos do Centro Social Vicente Palotti.

Os instrumentistas se apresentaram com um reportório de 16 músicas onde encantaram e animaram o público que compareceu em grande número na Basílica da Medianeira.

Ao todo, 47 músicos subiram ao palco tocando canções conhecidas como Canto Alegretense, Mercedita, Anunciação, Bate o Sino, Noite Feliz, Aquarela, entre tantas outras.

Segundo o Tesoureiro da Sociedade Vicente Palotti, Padre Vanderlei Luiz Cargnin, o espetáculo da noite foi apenas uma pequena amostra do trabalho realizado pelos grupos. “Estas apresentações são muito importantes para o grupo mostrar seu talento, divulgar o trabalho e mostrar para a sociedade que todos têm seu talento e são capazes de aprender a arte da música”.

O religioso explicou que o trabalho realizado na Sociedade Vicente Palotti é de suma importância para o desenvolvimento de crianças e jovens, pois além da música, também se trabalha o lado humano e espiritual dos integrantes.

Pe. Vanderlei também enfatizou o trabalho realizado através da escolinha de futebol com meninos e meninas que também é muito importante para o desenvolvimento dos jovens.

O Centro Social e Cultural Vicente Pallotti, é um projeto social, mantido pela Sociedade Vicente Pallotti que atende, gratuitamente crianças e adolescentes dos 06 aos 17 anos, no turno inverso ao da escola. O Público alvo são crianças de baixa renda e que se encontram em situação de vulnerabilidade social. Somente neste ano foram atendidas mais de 400 crianças e adolescentes, a maioria da região Oeste de Santa Maria                                                                                                           A coordenação dos grupos é feita pela Psicóloga Mariana Pfitscher.

No projeto, os alunos são acompanhados por uma equipe formada por assistentes sociais, psicólogas, pedagogas, seminaristas e professores de diversas atividades de cunho artístico, esportivo e musical.

A Orquestra Infanto Juvenil, tem a coordenação e regência do Maestro Alex da Rosa, e conta com a participação de aproximadamente 30 integrantes. O TAMBORICO, é coordenado pelo Professor Felipe Tigrinho.

O nome Tamborico é originário de um instrumento de percussão chamado tamborica também chamado por alguns percussionistas como Árvore de Tamborins, que consiste na união de vários tamborins em um só instrumento.

A próxima atração será a Orquestra Jovem Recanto Maestro, de São João do Polêsine, no dia 14 de janeiro de 2018, ás 19h.

A apresentação foi gravada e  transmitida pela Rede Vida de Televisão, no sábado, dia 30 de dezembro, ás 12h45min.

O Projeto “Medianeira Instrumental” é desenvolvido pela Arquidiocese de Santa Maria, através da Lei de Incentivo a Cultura (Lei Rouanet). As apresentações acontecem sempre no terceiro domingo de cada mês e a entrada é franca.

 

 

Franciele Volpatto/Assessoria de Comunicação do Projeto Cultural Medianeira Instrumental 

A Islândia é uma pequena ilha de 103 mil metros quadrados e 335 mil habitantes a Noroeste da Escandinávia, que já foi considerado o terceiro país mais desenvolvido do mundo pela Unesco, em 2013, e que tem economia movida pela pesca e pelo processamento de alumínio. Além disso, a crise bancárias de 2008, as atividades sísmicas, Björk e mais recentemente a classificação da seleção de futebol à Copa da Rússia deram uma maior notoriedade mundial à Islândia (Terra do Gelo em islandês). A sua literatura, porém, é muito pouco conhecida no Hemisfério Sul.

 

O mais famoso autor islandês é vencedor do prêmio Nobel de Literatura em 1955, Halldór Laxness (1902-1998). Em 2002, chegava à ilha após abandonar o curso de Letras/Alemão da Ufrgs, o gaúcho de Viamão Luciano Dutra. “Numa viagem aos EUA, eu estava traduzindo os sonetos completos do Jorge Luis Borges e apareceram as sagas islandesas. Decidi conhecer o país para aprofundar meus estudos da língua e literatura. Tinha interesse em Halldór Laxness e em textos bíblicos e das sagas islandesas”, diz. Desde então, Luciano, já traduziu dezenas de escritores islandeses para português e espanhol, inclusive Einar Már Gudmundsson, que lançou “Anjos do Universo” (1995), vencedor do Prêmio Nórdico de Literatura.

 

A obra foi lançada no Brasil pela editora Hedra e terá mesa no próximo sábado, às 18h, no Centro Cultural CEEE Erico Verissimo (Andradas, 1223), pela 63ª Feira do Livro da Capital, seguida de autógrafos. A obra trata da esquizofrenia do personagem Páll, mas traça um painel da Islândia e principalmente da capital Reykjavík desde a independência do país no final dos anos 1940.

Fonte: CP