Crianças esquartejadas em NH: advogados de “bruxo” vão lançar dois livros sobre erro da Polícia

Segunda, 09 Abril 2018 20:44 Publicado em NOTÍCIAS

Os advogados de Silvio Rodrigues, que ficou conhecido como “bruxo” em meio às investigações sobre duas crianças encontradas esquartejadas em Novo Hamburgo, vão lançar dois livros contando a história das cinco pessoas presas erroneamente e acusadas pelo delegado Moacir Fermino, responsável pelo caso na época, de estar por trás do “ritual satânico” que resultou na morte dos dois irmãos. Partes dos corpos das vítimas, ainda não identificadas, foram localizadas no bairro Lomba Grande, na cidade do Vale do Sinos, em setembro do ano passado.

Conforme Marco Alfredo Mejía, um dos autores do livro, denominado “Mistérios não revelados no Tempo do Lúcifer! Uma narrativa jurídica do maior erro judiciário gaúcho”, explicou que a obra busca mostrar a relação de injustiça que ocorreu no caso e de que forma a Polícia apresentou o relatório que apontou Rodrigues como um dos executores dos crimes. “O primeiro livro vai ser uma forma de crônica dentro da advocacia, trazendo uma forma mais técnica do caso. Já o outro, que está sendo escrito por José Felipe Lucca e Augusto Fagundes, mais romantizado, como se estivesse sendo produzido para o público em geral”, explica o advogado.

Conforme Mejía, o lançamento está previso para ocorrer no mês que vem. Além de toda a trajetória da acusação, prisão e soltura de Silvio Rodrigues, os livros vão incluir também os entendimentos dos advogados sobre as motivações das acusações. “Entendemos que tudo não passou de um interesse político, já que daquela forma, Fermino previa conseguir angariar votos dentro da Igreja e, portanto, ser eleito em algum cargo político”, sustenta advogado.

O delegado forjou o relatório, escudado pelo inspetor de Polícia Marcelo Cassanta, em que concluía que as duas crianças haviam sido mortas em um ritual de magia negra, realizado no templo de Rodrigues, que fica em Gravataí, a mando de empresários que queriam prosperidade financeira.

Fonte: CP