×

Atenção

JUser: :_load: Não foi possível carregar usuário com ID: 22

Domingo, 04 Maio 2014 17:00

Quando eu morri

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

 

Pode parecer uma ironia do destino, mas foi no dia em que morri que eu cheguei ao auge da minha existência. Naquele dia eu pude sentir a intensidade da afeição e do carinho que as pessoas sentem por mim.

No dia em que eu morri, fiquei impressionado com tantas pessoas vindo ao meu encontro. Muitos traziam flores, rezavam e até choravam por mim. Mas o que mais me chamou atenção no dia em que eu morri, foram os comentários que faziam a meu respeito. Muito bacana!

Alguns políticos que rodeavam o meu pobre corpo que estava deitado eternamente em berço esplêndido, cochichavam entre eles ao pé do ouvido sobre a minha pessoa. Eram tantos elogios que eu tive vontade de me levantar do caixão e fazer um discurso em agradecimento.

Algumas frases ditas por eles eu ainda lembro: “Perdemos uma pessoa maravilhosa”; “Sempre o admirei pela sua honestidade” “Um exemplo de pai de família”; “Não era do meu partido, mas era meu amigo”.  

Não houve nada de diferente quando eu morri, pois até os mortos já se acostumaram com a ideia de que “o ser humano só passa a ser bom depois que morre”. Apesar de estarmos no século vinte e um, muitas pessoas ainda não se despojaram do seu orgulho. Arrastam-se sobre a lama da hipocrisia e do egoísmo, sentimentos estes que não permitem reconhecer no outro, em vida, seus méritos e competências.

Mas, para a tristeza de alguns e alegria de muitos, a minha morte durou poucos instantes. Logo acordei e agradeci a Deus por ter morrido apenas num sonho e ter aprendido tanto com a minha suposta morte.

Portanto, se você sonhar que está morto e não se esquecer de acordar, terá pelo menos, dois motivos para agradecer: primeiro por não ser verdade; segundo, pela a oportunidade de descobrir algumas verdades que só são ditas em sonhos ou depois de “batermos com as botas”. Bem, eu vou parar por aqui, pois tem gente querendo que eu durma e não acorde mais.  

       F U I!

Professor Emilio Ebling Dias – São Pedro do Sul

Lido 1197 vezes Última modificação em Domingo, 04 Maio 2014 17:13

Mais recentes de

Mais nesta categoria: O Parlamentar e os alunos »